José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Surpresas, etíopes celebram vitória e agradecem apoio

Dawit Admasu e Ymer Ayalew não eram favoritos para a prova, mas superaram dificuldades e querem voos ainda mais altos

ALESSANDRO LUCCHETTI, O Estado de S. Paulo

31 de dezembro de 2014 | 14h17

Acabou a hegemonia do Quênia na São Silvestre. Infelizmente para a torcida brasileira, porém, os autores da façanha foram corredores etíopes, que fizeram dobradinha na 90ª edição da corrida paulistana. Dawit Fikadu Admasu venceu a prova masculina, com o tempo de 45min04, e Ymer Wude Ayalew ganhou a feminina em 50min43.

Desconhecido no cenário das principais competições, Admasu chegou na última sexta-feira, indicado ao treinador brasileiro Moacir Marconi, o Coquinho, por uma agente italiana que trabalha para a marca de artigos esportivos Fila. Apenas em seu segundo ano na equipe nacional etíope, o corredor de 21 anos não fez preparação específica para a São Silvestre - seu foco é o Mundial de Cross Country de Guiyang, na China, em março.

Coquinho vai tentar manter Admasu no Brasil para a Corrida de Reis de Cuiabá, no dia 9. "A corrida foi muito difícil. Foi minha primeira vez na prova, mas amei a São Silvestre devido ao incentivo das pessoas", disse Dawit, que curiosamente também atuou como intérprete de seus conterrâneos, que só se expressam na língua amárica, uma das mais antigas do mundo e de origem semítica, assim como aramaico.

Ymer, que não estava cotada como uma das favoritas, já havia vencido a prova em 2008 e foi terceira colocada em 2011."A corrida foi muito difícil por causa do calor. Mas felizmente pude correr bem. A população de São Paulo é sempre muito amorosa comigo, por isso gosto de correr aqui".

A queniana Prisca Jeptoo, prata na maratona no Mundial de 2011 e nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, foi surpreendida pelo ritmo da Ymer e por outra etíope, Netsanet Kebede (50min46) e acabou ficando na terceira colocação, com o tempo de 51min29. "Apesar de não ter vencido, estou muito feliz. O percurso mudou, mas para mim foi bom porque consegui correr forte".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.