Divulgação/ Vancouver Canucks
Divulgação/ Vancouver Canucks

Surto de covid em time de hóquei do Canadá pode vir de nova variante brasileira, diz equipe

Vancouver Canucks registra 25 casos confirmados; Centro de Controle de Doenças deve confirmar qual variante originou o surto

Gerald Narciso, The New York Times

13 de abril de 2021 | 15h00

VANCOUVER, BRITISH COLUMBIA - Um surto de covid-19 dentro de uma equipe da NHL (liga de hóquei), iniciado em 30 de março, agora afeta a maioria de seus jogadores. Na quarta-feira, o Vancouver Canucks disse em comunicado à imprensa divulgado por um médico da equipe e um infectologista que a organização teve 25 casos confirmados: 21 jogadores (três da equipe de treinamento) e quatro membros da comissão técnica.

A declaração do médico da equipe Jim Bovard e do infectologista Josh Douglas também disse que “a origem da infecção deve ser confirmada como uma variante”. Apenas quatro jogadores ativos do Canucks – Brock Boeser, Jimmy Vesey, Jordie Benn e J.T. Miller – não estão na lista de protocolo. De acordo com vários relatórios, o defensor Nate Schmidt foi adicionado à lista de protocolo covid-19 da NHL na quarta-feira e o atacante Jake Virtanen, na terça.

Desde o primeiro caso, pelo menos um jogador do Canucks foi adicionado à lista de protocolo a cada dia, incluindo sete no sábado. Os jogadores suspeitavam que poderiam ter contraído a variante P.1, originada no Brasil. O Centro de Controle de Doenças da Colúmbia Britânica deve determinar qual variante foi a fonte do surto, disse a equipe.

“Tenho certeza de que estamos lidando com a variante brasileira”, disse Micaela Gaudette, esposa do atacante do Canucks, Adam Gaudette, em entrevista por telefone. “Acho que é duas vezes e meia mais contagiosa que a covid original”. A variante P.1 teve um aumento na região de Vancouver nas últimas semanas. Na terça-feira, a província anunciou 1.068 novos casos de covid, incluindo três mortes e 207 novos casos de variantes preocupantes.

“Meu coração está com os Canucks”, disse Bonnie Henry, autoridade de saúde da província, em entrevista coletiva na terça-feira. “Sei que a Vancouver Coastal está trabalhando em estreita colaboração com eles para garantir que recebam o apoio de que precisam, que os membros da equipe e suas famílias sejam avaliados e testados e recebam os cuidados de saúde de que precisam também”. Ela acrescentou: “Essa história é uma advertência para todos nós. Nas últimas semanas e meses, vimos um aumento da P.1 e estamos rastreando essa variante”.

Os próximos dois jogos agendados do Vancouver, fora de casa, contra o Calgary Flames, na quinta e no sábado, foram adiados, de acordo com o site do Canucks. Os Canucks já perderam quatro jogos devido ao surto dentro da organização, e a liga precisou reorganizar os calendários de seus oponentes. Mesmo com um elenco exaurido e vivendo em uma região vulnerável, o time ainda tem esperança em continuar a temporada. Com o Canucks atualmente fora dos playoffs, Micaela Gaudette está pedindo à liga que não force o time e seus jogadores a completarem a temporada regular de 56 jogos.

“Acho que seria terrível se eles quisessem fazer mais jogos”, disse ela. “Terminar a temporada não seria a pior coisa do mundo. Mas acho que seria muito ruim se eles tentassem arrancar esses jogos extras, porque os caras ainda estão saindo da doença e já vão ter problemas de fadiga. Depois de tudo isso, não seria bom para ninguém”. / Tradução de Renato Prelorentzou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.