Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Suspeita de 'doping tecnológico' faz federação investigar sapatilhas

Promessa de que novo calçado melhora desempenho tem causado polêmica

O Estado de S.Paulo

20 de março de 2017 | 11h50

As novas sapatilhas lançadas pela Nike para maratonistas têm causado polêmica no mundo esportivo. A promessa de que a Zoom Vaporfly melhora em até 4% o desempenho dos atletas e, assim, permite que o recorde da maratona fique abaixo das 2 horas de prova fez com que os calçados fossem comparados a um "doping tecnológico".

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) já anunciou vai investigar as novas sapatilhas. Além da Nike, a Adidas lançou a Adizero Sub2, que também podem aumentar a velocidade dos maratonistas.

O recorde atual da maratona é de 2h2m57s. O objetivo é chegar à marca de 1h59m59s. A diferença de 178s, ou seja 3% de melhora no tempo, é o que prometem os novas calçados.

A IAAF vai investigar peso, formato aerodinâmica e material das sapatilhas. O calçado da Nike, por exemplo, possui uma placa de fibra de carbono que tem levantado suspeitas. No caso da Adizero Sub2, a sola de microfibra também é alvo de investigação.

Tudo o que sabemos sobre:
AtletismoIaaf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.