Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Suspenso por assédio sexual, presidente da Confederação Brasileira de Handebol renuncia

Ricardo Souza deixou o cargo após o Comitê Olímpico do Brasil parar de destinar verba à entidade

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2020 | 23h31

O presidente em exercício Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), Ricardo Souza, o Ricardinho, renunciou nesta quinta-feira. Ele havia sido punido em agosto pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) por assédio sexual contra uma funcionária da CBHb durante os Jogos Pan-Americanos no ano passado, em Lima. Desde então, COB tinha cortado a verba para a CBHb para forçar a renúncia de Ricardinho.

Ricardinho era vice-presidente, mas assumiu o comando da entidade porque o presidente Manoel Oliveira sofreu uma ação judicial por mau uso do dinheiro. Na semana passada, Ricardinho apresentou atestado médico para pedir afastamento da entidade. A expectativa era de que, com ele afastado, o COB voltaria a repassar a verba para a CBHb, o que acabou não acontecendo. Com isso, nesta quinta-feira ele decidiu pela renúncia.

"Mesmo tendo o direito de permanecer no cargo para o qual fui eleito democraticamente, assegurado por uma decisão judicial, resolvi renunciar à presidência da entidade, para que a perseguição dirigida à minha pessoa não acabe por prejudicar todo o handebol, que é um patrimônio do povo brasileiro, e que as pessoas passam, mas as instituições ficam. Muitos já passaram e a CBHb e o handebol permanecem", justificou Ricardinho em sua carta de renúncia.

Sem a verba do COB, a seleção masculina de handebol corre o risco de não conseguir disputar o Campeonato Mundial no Egito, em janeiro. A equipe não viajou para treinamentos na Europa no mês passado, porque o COB também não bancou. Com a renúncia de Ricardinho, a tendência é de que o COB volte a arcar com os custos da seleção durante treinos e torneios no exterior. A seleção feminina já está classificada para a Olimpíada de Tóquio, enquanto a masculina ainda terá de disputar o pré-olímpico em 2021.

VEJA A CARTA DE RENÚNCIA DE RICARDINHO

"É do conhecimento de todos o que ocorreu na mina vida nos últimos meses. Fui alvo de um linchamento moral que nem os piores criminosos do país sofreram. Não tive sequer o direito de cumprir a pena a que fui condenado após os recursos, direito este conferido a qualquer criminoso do país, mesmo na certeza da injustiça feita contra minha pessoa.

Apesar disso e de toda a perseguição política que sofri, acredito que consegui deixar a Confederação Brasileira de Handebol melhor do que estava quando assumi a presidência, com importantes conquistas diante de um dos piores cenários financeiros encontrado na CBHb.

Agora a verdade começa a transparecer, tanto que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro me deu o direito de retornar ao cargo do qual fui afastado. Temos uma biografia límpida construída ao longo de 30 anos dedicados ao esporte, e isto será provado em breve.

Mesmo tendo o direito de permanecer no cargo para o qual fui eleito democraticamente, assegurado por uma decisão judicial, resolvi renunciar à presidência da entidade, para que a perseguição dirigida à minha pessoa não acabe por prejudicar todo o handebol, que é um patrimônio do povo brasileiro, e que as pessoas passam, mas as instituições ficam. Muitos já passaram e a CBHb e o handebol permanecem.

Por amor ao esporte, ao qual tenho muito zelo e gratidão, além de todos aqueles que fazem e fizeram o handebol nacional, renuncio de forma irretratável e irrevogável ao cargo de primeiro vice-presidente (atualmente no exercício da presidência) da CBHb."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.