Taça Libertadores 'Resultado não muda futuro com Ronaldo'

Diretor de Futebol do Corinthians, Mário Gobbi, confirma projeto e diz que 'genialidades' do Fenômeno voltarão

Fábio Hecico, Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2010 | 00h00

Nem mesmo o cenário mais sombrio - Ronaldo volta a jogar mal e o Corinthians é eliminado pelo Flamengo da Taça Libertadores da América, na quarta-feira, no Pacaembu -, será suficiente para comprometer o projeto entre o clube e o maior artilheiro das Copas. Pelo menos é isso que garante a diretoria alvinegra. No Parque São Jorge já está definido: o Fenômeno só não cumprirá seu contrato até o final se não quiser. O atual vínculo vai até o dia 31 de dezembro.

Ao contrário de boa parte da torcida e da opinião pública, os dirigentes corintianos se mantêm otimistas em relação ao futebol de Ronaldo. Para eles, o atacante, apesar de participar pouco das jogadas durante a derrota de anteontem, mostrou evolução do condicionamento físico e boa movimentação em campo. "Fizemos uma planilha especial de treinamentos para o Ronaldo. E ele tem seguido à risca nos últimos 12 dias para desenvolver o mesmo potencial do ano passado, quando nos deu dois títulos (Paulista e Copa do Brasil)", afirmou o diretor de Futebol, Mário Gobbi. "Pode escrever: logo, logo o Ronaldo voltará a fazer genialidades em campo. Nós estamos com ele até o fim. E a sequencia desse projeto não depende do resultado da Libertadores. Segue ganhando ou perdendo."

A diretoria sabe, porém, que o tempo joga contra seus planos. Ronaldo precisa mostrar nos próximos quatro dias uma evolução física e técnica que não conseguiu nos últimos quatro meses. "Não apostamos apenas nos treinamentos. Há as pessoas da comissão técnica que conversam bastante com ele e com os demais atletas", explicou Gobbi. E o que tanto essas pessoas tentam mostrar para o Fenômeno nesses papos? "Entre outras coisas, mostram como é importante para a própria imagem dele voltar a jogar aquele futebol que todos esperam. E a referência não é o Ronaldo do Barcelona ou do Real Madrid. A referência é o Ronaldo do ano passado."

Além das dificuldades dentro do campo, problemas pessoais também têm afetado o desempenho de Ronaldo. A diretoria procura evitar o assunto, mas assegura que oferece ao atleta tudo o que ele precisa.

Novo ânimo. A derrota para o Flamengo parece ter mexido com os corintianos. Cientes de que o 1 a 0 colocou o grande projeto do ano em xeque, os jogadores fizeram um pacto para o jogo no Pacaembu. "Temos tudo para conseguir a classificação, mas o melhor agora é fechar a boca e trabalhar bastante", disse o atacante Dentinho. "O espírito que devemos ter no jogo será o de quem vai para uma guerra."

Quem está atuando como motivador do grupo é Ronaldo. Ainda nos vestiários do Maracanã, ao ver companheiros cabisbaixos, abatidos, o Fenômeno deu uma chacoalhada no grupo. Pediu para ninguém baixar a cabeça e afirmou que nada estava perdido. Palavras que parecem ter surtido efeito imediato.

O grupo voltou para São Paulo confiante, apesar de o time ainda não ter vencido por dois gols de diferença em casa. Fez 2 a 0 no Racing, no Uruguai. Um triunfo por 1 a 0, algo difícil na era Mano Menezes - foram três derrotas para o Fla e nenhum gol anotado - leva a decisão para pênaltis. Bom? "A gente não quer só 1 a 0, pensamos em muito mais", disse o volante Ralf. "Ronaldo x Adriano é um duelo de gigantes. E o Ronaldo vai fazer bem melhor que o Adriano no Pacaembu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.