Taiti garante o convite para a festa

Surpreendente seleção da paradisíaca ilha vai representar a Oceania no evento-teste para o Mundial do Brasil

ALMIR LEITE, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2012 | 03h05

Os turistas a definem como um dos lugares mais belos do planeta. Para os surfistas, é uma das mecas do esporte que praticam. Normalmente, são essas as duas referências dessa ilha da Polinésia Francesa que, quando se observa em algum mapa colocado em uma parede, tem-se a impressão de que fica no fim do mundo. O Taiti, porém, em breve vai ser lembrado, ao menos pelos brasileiros, por mais um motivo: o futebol. É que a seleção desse território francês estará no País em 2013, para disputar a Copa das Confederações.

A surpreendente seleção taitiana, apenas a 179.ª no ranking da Fifa com parcos 86 pontos (a líder Espanha tem 1.456), obteve vaga no evento-teste para a Copa do Mundo de 2014 ao conquistar, há duas semanas, a Copa das Nações da Oceânia. Garantiu a taça com a vitória por 1 a 0 sobre a Nova Caledônia, que coroou campanha irrepreensível: 5 vitórias em 5 jogos, 20 gols marcados, apenas 4 sofridos.

Um feito e tanto para uma equipe amadora no espírito e na prática - seus jogadores recebem basicamente ajuda de custo e ganham a vida como pescadores, trabalhadores braçais, sapateiros e alguns também defendem a seleção de futebol de areia -, que compensa a falta de intimidade com a bola e com as táticas com muita vontade e correria.

Claro que o (baixíssimo) nível dos adversários é igual. Além disso, quem fez o serviço de tirar do caminho a favoritíssima, quando se trata de Oceania, Nova Zelândia na semifinal da Copa das Nações foi a Nova Caledônia. No entanto, não dá para tirar os méritos, a alegria e o direito de sonhar dos taitianos.

"É incrível! Vamos ao Brasil para a Copa das Confederações! O mundo vai olhar para nós. Isso é magnífico. Esses garotos merecem'', disse, chorando, o técnico taitiano, Eddy Etaeta, ainda no gramado do Estádio Lawson Tama, nas Ilhas Salomão, onde ocorreu a conquista do título.

Aliás, para chamar o Lawson Tama de estádio é preciso dose generosa de boa vontade, além de se gostar do futebol em estado puro. Os torcedores se ajeitam num barranco (gramado), versão local das arquibancadas. Os vips têm direito a cadeiras colocadas em espaço coberto, mas aberto. O banco de reservas é composto por cadeiras de plástico, que ficam soltas na lateral do campo. Ah, e as traves são removíveis, como nos CTs de clubes brasileiros.

Os estádios do Taiti são praticamente iguais. A diferença é que alguns não têm barranco e os torcedores ficam espalhados pela cerca que faz as vezes de alambrado.

Trabalho de base. Mas mesmo um futebol tão rudimentar o do Taiti passou por um investimento na base para melhorar. Desde o ano 2000, a Federação Tahitiana de Futebol tentava fazer o nível aumentar. Deu algumas cabeçadas até decidir, em 2007, apostar numa nova geração. Para isso, chamou o técnico francês Lionel Charbonnier, que garimpou em clubes e nas peladas da ilha garotada promissora, levada para disputar o Mundial Sub-20 em 2009, no Egito - foi campeão da Oceania no ano anterior.

O time tomou três pauladas - perdeu por 8 a 0 para Espanha e Venezuela e por 5 a 0 para a Nigéria. Mas valeu. "Mostrei a eles a diferença entre um surfista e um jogador de futebol'', disse Chardonnier. "Jogamos contra grandes nomes do futebol mundial e o nível deles era muito mais elevado do que o nosso. Foi uma experiência valiosa. Quando voltamos (ao Taiti), senti que estávamos mais fortes como jogadores e como pessoas'', avaliou o meia Alvin Tehau.

Ele e outros 5 jogadores do time de 2009 foram titulares na vitória sobre a Nova Caledônia.

O título da Copa das Nações da Oceania é a conquista mais importante do futebol da ilha que tem no rúgbi e na canoagem polinésia os esportes preferidos de seus cerca de 178 mil habitantes - o surfe é quase uma religião -, mas apenas o pontapé inicial, acreditam os taitianos. "Nós provavelmente nunca faremos parte da elite do futebol'', reconhece Pure Nena, diretor administrativo da federação local. "Mas não é porque somos pequenos que não devemos ter ambições.''

O técnico Eddy Etaeta também se dá o direito de sonhar. Diz que, na Copa das Nações, não pôde contar com força total e que, nas Eliminatórias para 2014, sua seleção estará ainda mais forte. "A classificação para a Copa do Mundo é um sonho e esperamos que ele se torne realidade'', disse.

Taiti, Nova Caledônia, Nova Zelândia e Ilhas Salomão brigarão para disputar uma vaga no Mundial do Brasil com o quarto colocado da repescagem.

Isso, no entanto, é para depois. Agora, o Taiti se imagina na Copa das Confederações, ao lado de forças como Espanha, Uruguai, México, entre outras. E, sobretudo, junto com um gigante chamado Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.