Talento da ginástica tem futuro em jogo

O futuro de Jade Barbosa, de 14 anos, é incerto. Para ainda ter chance de ganhar destaque na ginástica olímpica competitiva, terá de deixar a escola, a família, o Rio e o Flamengo para se mudar para Curitiba, onde está o Centro de Treinamento da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG). O Flamengo já tem aparelhos novos - comprados e doados ao clube pela Prefeitura do Rio -, mas não a infra-estrutura e a mão-de-obra necessárias (nutricionista, professora de balé, treinadores, psicólogo, plano de saúde) para formar uma campeã. Enquanto isso, a CBG fará uma seletiva, em Curitiba, com meninas de todo o País, para escolher atletas para a seleção.A técnica de Jade, Viviane Cardoso, está grávida. Terá de se afastar por algum tempo este ano e o Flamengo ainda não se reestruturou desde que demitiu Georgette Vidor e desmontou a equipe de ginástica artística, situação que preocupa César Barbosa, pai de Jade. A ginasta também faz o duplo twist, o famoso salto de Daiane dos Santos, e é considerada um talento a ser trabalhado."O próprio coordenador do clube me disse que o lugar da Jade é em Curitiba. Mas fiz matrícula na escola no Rio, gastei em livros... A Jade não tem mãe, está na ginástica desde os 5 anos... Eu e o irmão dela, o Pedro, de 7 anos, queríamos que ela ficasse aqui pelo menos por mais um ano, mas a Vivi engravidou, não poderá mais dar treino e o Flamengo não tem técnico", resumiu César. O pai chega a ficar revoltado, achando que o Centro de Treinamento de Curitiba está desestimulando a formação de atletas em clubes.A deputada Georgette Vidor, ex-técnica de Danielle Hypólito, foi demitida do Flamengo no ano passado. Ana Paula Luck (que também foi dispensada pelo clube), juntamente com a ex-ginasta Luiza Parente, trabalhará com Georgette em uma academia do empresário Alexandre Acioli, que será inaugurada na Barra da Tijuca. "Uma das professoras que o Flamengo trouxe agora queria reduzir a carga de treino de seis para duas horas. Se o método dela dá certo, tem de ensinar para o mundo. Os pais percebem que algo está errado e não gostam", disse Georgette.O clube tem problemas para contratar técnicos por causa dos constantes atrasos de salários. Treinadores competentes, como Roger Medina, passaram por lá e não ficaram. "A Georgette pagava o salário do Roger e quando ele recebia do clube, devolvia", contou César. O Flamengo pode ter dificuldades até para trazer um estrangeiro, avalia Georgette, porque os técnicos não confiam que receberão seus salários em dia.Então, hoje, uma ginasta que se destaque no Rio tem de ir para Curitiba? "Infelizmente, sim. A Jade tem de pegar a malinha, se mandar e treinar como nunca treinou na vida dela. Ela tem talento, mas isso pode não ser suficiente se não suportar treinamento forte e não controlar a alimentação", completou Georgette.O diretor do Flamengo Roberto Santos explicou que o clube fez mudanças na ginástica por uma questão orçamentária e planeja contratar um técnico estrangeiro, possivelmente europeu, mas não no primeiro semestre deste ano. "Temos o projeto de ter um segundo Centro de Excelência em Ginástica no Flamengo, com toda a infra-estrutura, agora que os equipamentos estão no clube", ressaltou. Mas admitiu que, no momento, se ficar, "a Jade será prejudicada" e que orientou o pai da atleta a mandá-la para Curitiba. "É um erro da parte dele querer que a Jade fique, porque a seleção permanente está lá. Se fosse no masculino, poderia dar uma orientação diferente, porque tenho o melhor técnico do País."

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2005 | 10h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.