Talita e Taiana exaltam união após título do Circuito Mundial de vôlei de praia

Dupla formada no fim de 2012 confirmou conquista com duas etapas de antecipação

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2013 | 15h29

RIO - Das quatro duplas femininas da seleção brasileira de vôlei de praia, só duas tiveram a oportunidade de jogar juntas a temporada toda. E o entrosamento foi determinante para que uma delas, Talita/Taiana, conquistasse o título do Circuito Mundial. A parceria, formada no fim de 2012, foi mantida pelo técnico Marcos Miranda, e acabou coroada nesta terça-feira, com a confirmação do título, com duas etapas de antecedência. "Com tantas mudanças nesse ano, aprendemos em um curto espaço de tempo a nos entender e isso nos fez evoluir muito. Essa conquista valoriza a nossa união, o nosso comprometimento, nossa cumplicidade e o amor pelo esporte", comemorou Taiana, que até o começo desta temporada sequer havia subido ao pódio num Grand Slam, apesar dos 29 anos de idade.

Por conta do novo formato do vôlei de praia brasileiro, com seleções, as jogadoras foram rearranjadas. Mas Talita e Taiana, que jogam juntas o Circuito Brasileiro, foram mantidas juntas. Entrosadas, ganharam o Circuito Mundial. Maria Clara e Carol, irmãs que também seguiram jogando juntas na seleção, estão no terceiro lugar do ranking e precisam chegar à semifinal em Phuket (Tailândia), no Open que começa nesta quarta-feira, para assumirem a vice-liderança. Em 12 Grand Slams do Circuito Mundial, Talita e Taiana venceram cinco (Xangai, Haia, Roma, Long Beach e Berlim). Ainda ganharam uma prata (Xiamen) e um bronze (Gstaad). Em 71 jogos, perderam apenas 10, mas foram beneficiadas pelo fato de Xi Zhang/Xue, da China, só disputou quatro etapas e Walsh/May, dos EUA, outras três. Juntas, em sete etapas, as rivais ganharam cinco títulos.

"Estou muito feliz. Em um ano com tantas mudanças, time novo, equipe nova, formato novo, ganhar o Circuito Mundial é muito motivador", comemorou Talita, a mais experiente da dupla, que desde 2005 joga ininterruptamente o Circuito Mundial. "Sei que esse é apenas o primeiro passo de uma corrida tão importante. Daqui para frente o circuito ficará cada vez mais competitivo, mais difícil, e sabemos que ainda podemos melhorar muito nosso time para 2016", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.