Ray Collins/ Divulgação
Ray Collins/ Divulgação

Teahupo'o, a praia da ondas gigantes, recebe 7ª etapa do Mundial

Conheça a temida praia no Taiti: Mineirinho é o líder do ranking

O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2015 | 09h35

Começa nesta sexta-feira a sétima etapa do Mundial de Surfe, em Teahupo'o, no Taiti, praia conhecida pelas ondas gigantescas e temida pelo fundo de coral raso. Ou seja: o surfista pode se machucar e se ralar feio. O risco é grande porque, segundo especialistas, o volume de água em Teahupo'o é muito grande em comparação com outras praias. As ondas, gigantes, crescem mais em largura do que em altura (veja no vídeo abaixo, feito por um drone). As ondas também são pesadas e quebram em cima da cabeça dos surfistas.

É neste cenário que os brasileiros tentam melhor colocação na sétima etapa do Surfe Mundial, em que o paulista Gabriel Medina é o atual campeão. "Exige muita habilidade nessas condições, onde a bancada de corais é muito rasa e o volume de água da onda é enorme. Cair dentro de um tubo com tanta água é como estar dentro de uma máquina de lavar gigante", disse o surfista Everaldo Teixeira 'Pato', de 40 anos, em recente entrevista ao Estado. Ele surfou uma onda de sete metros em Teahupo'o.

Foi em Teahupo'o que Gabriel Medina, em 2014, venceu o onze vezes campeão mundial Kelly Slater por apenas 0.03 ponto. Medina acabou ganhando (pela primeira vez) a principal competição do surfe mundial. Neste ano, Medina faz uma campanha irregular no circuito. Mas quem lidera é outro brasileiro, Adriano de Souza, o Mineirinho. "Já treinei no local, especialmente aqui, que tem ondas especiais. Espero brigar pelas primeiras posições", afirmou.

Teahupo'o é a primeira etapa depois daquela que foi disputada em Jeffrey's Bay e que ficou marcada pelo ataque de tuburão ao australiano Mick Fanning. "O que aconteceu já passou, por sorte foi só um susto e acredito que uma alternativa para lidar com isso surgirá em breve", disse Mineirinho.

Mais conteúdo sobre:
SurfeGabriel MedinaTeahupooWSL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.