Técnica regula vício de judoca chocólatra do Brasil

A judoca brasileira da categoriapesada Priscila Marques, medalhista de bronze nos JogosPan-Americanos do Rio de Janeiro, teve que maneirar nochocolate durante a preparação para o torneio. Priscila chegou a pesar quase 120 quilos depois de tersofrido lesões nos dois joelhos este ano, segundo a técnica daseleção brasileira, Rosicleia Campos. Ao conquistar nestaquinta-feira o bronze da categoria mais de 78 quilos, alutadora estava com 116 quilos. "O ideal seria perder mais uns 5 ou 6 quilos porque eudependo de menos peso para ter agilidade. O meu ponto forte é aagilidade, e ficar pesada compromete um pouco", disse Priscilaem entrevista coletiva após ter recebido a medalha. Rosicleia contou que dava apenas um "tabletinho" dechocolate para Priscila durante a preparação para o Pan do Rio,apesar da judoca pedir mais. "A Rosicleia me cobra muito", explicou a judoca de 29 anose 1,76 m, que se declara chocólatra. Priscila é mais pesada que o representante brasileiro dopeso pesado, João Gabriel Schlitter, de 108 quilos e 1,97 m,que ganhou a medalha de prata nesta quinta. Ela perdeu em sua primeira luta no Rio, para a cubana IvisDuenãs, depois de ter estado em vantagem no combate. "Foi ela(Priscila) que perdeu. Ela tentou fazer um golpe e acaboucaindo", explicou Rosicleia. Mas a brasileira se recuperou e ganhou os três combatesseguintes, todos por ippon, o golpe perfeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.