Satiro Sodré/SSPress
Satiro Sodré/SSPress

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Técnico croata deixa comando da seleção brasileira de polo aquático

Tetracampeão olímpico, Rakto Rudic não quer mais exercer a função de treinador

Estadão Conteúdo

30 Agosto 2016 | 20h02

Responsável pela gestão do polo aquático brasileiro na Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Ricardo Cabral anunciou nesta terça-feira a saída do técnico croata Ratko Rudic do comando da seleção brasileira masculina de polo aquático.

A saída é anunciada dez dias depois do fim da participação do time masculino nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no qual o time obteve sua melhor colocação da história, com o 8º lugar geral.

"Ele não quer ser mais técnico. Quem conviveu com ele (que oportunidade!) nestes quase três anos, sabe que a intensidade com que ele trabalha e vive o water polo é muito grande e mais um ciclo olímpico seria muito difícil", disse Cabral, em post nas redes sociais.

O treinador de 68 anos, segundo o dirigente, tem interesse em atuar como consultor ou supervisor técnico no próximo ciclo olímpico. Mas ainda não definiu seu futuro. "Ele está fazendo os contatos internacionais necessários junto à federações nacionais", afirmou Cabral.

Um dos técnicos mais vitoriosos da história do polo aquático, Rudic é dono de seis medalhas olímpicas como treinador. E faturou o ouro há quatro anos com a seleção do seu país em Londres-2012.

Após seu último jogo no comando do Brasil no Rio-2016, o treinador já falava em tom de despedida. "Minha influência foi o método de trabalho implantado e passar minha experiência. Espero que isto sirva como legado para o polo brasileiro", declarara Rudic.

Rudic deve ser substituído na seleção brasileira por Ivan Avic que, segundo Ricardo Cabral, foi indicado por Rudic. "Ele indicou o seu sucessor, Ivan Avic, atual assistente técnico da seleção da Croácia. Já soube também que Ivan Avic é da Escola Rudic. E não poderia ser diferente", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.