Técnico da natação húngara renuncia após antigo caso de estupro vir à tona

Técnico da seleção húngara de natação, Laszlo Kiss renunciou nesta quinta-feira ao seu cargo após vir à tona um caso em que ele e outros dois homens foram condenados por estupro em 1961. Kiss disse nesta quinta-feira, através de um comunicado que estava deixando o cargo pelos interesses do esporte húngaro e por sua saúde estar abalada pela divulgação da sua condenação a três anos de prisão.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

07 de abril de 2016 | 14h08

Nesta quinta, Kiss defendeu sua inocência, dizendo que a condenação veio em um julgamento de fachada com base em acusações forjadas, ocorrido quando ele ainda era um nadador e tinha apenas 21 anos.

Segundo a imprensa húngara noticiou esta semana, há 55 anos Kiss e outros dois homens, identificados como Laszlo L. e Lajos V., atraíram uma jovem para um apartamento e a obrigaram a ter relações sexuais com um deles. Os três foram condenados e cumpriram penas de prisão.

Kiss, de 75 anos, era treinador da seleção feminina de natação da Hungria desde 1993 e da equipe masculina desde 1999. Ela também treinou Krisztina Egerszegi, dona de cinco medalhas de ouro olímpicas.

No início desse ano, chegou a renunciar ao cargo depois que a grande estrela da natação nacional, Katinka Hosszu, criticou a federação local publicamente, mas foi convencido a voltar após um pedido pessoal do primeiro-ministro do país, Viktor Orban.

A decisão de Kiss de renunciar ao cargo se dá um dia após a Federação Húngara de Natação decidir, por unanimidade, pela manutenção do profissional no cargo. Na última quarta, a federação defendeu que o caso de Kiss é bastante conhecido no esporte desde que ele começou sua carreira e que suas conquistas e sua admissão da responsabilidade desde então permitem que seu crime seja esquecido. Agora, porém, a repercussão do caso provocou a sua saída da seleção húngara de natação.

Tudo o que sabemos sobre:
KissHungria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.