Técnico de Caldeira aposta em Marilson

Último atleta do País a vencer a São Silvestre, em 2006, o mineiro Franck Caldeira chegou ontem à noite a São Paulo sem a badalação das últimas edições. Ofuscado pela presença do bicampeão Marilson dos Santos, que volta à prova após cinco anos, o atleta do Cruzeiro vem de uma temporada fraca e tenta superar o mau desempenho das últimas três edições.

, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2010 | 00h00

"O Franck teve uma queda de rendimento no meio do ano, após o falecimento da mãe dele. Nem sei como conseguiu o segundo lugar na Meia Maratona do Rio, em agosto. Considerei uma vitória", diz o treinador do Cruzeiro, Alexandre Minardi. "Mas ele está mais maduro e se preparou. Agora, vai ter de contar com a sorte."

Decepção. Nos últimos anos, a sorte não tem acompanhado o atleta do Cruzeiro na São Silvestre. Em 2007, sob muita expectativa após a conquista do ano anterior, Franck Caldeira sentiu fraqueza e abandonou a prova entre os quilômetros 5 e 7. Em 2008, desistiu no décimo quilômetro. No ano passado, ficou apenas na 23ª colocação. "Em 2006 era o ano dele, correu bem abaixo dos quenianos", lembra Minardi.

O técnico admite que a principal esperança do País para quebrar a hegemonia africana é mesmo Marilson. "Tenho certeza que ele vai vencer, pode escrever aí. Vai lavar a nossa alma."

Baixas de última hora. A equipe do Cruzeiro perdeu, às vésperas da corrida, dois de seus principais atletas: João Ferreira de Lima, o João da Bota, atual campeão da Meia Maratona de Belo Horizonte, e Valdir de Oliveira, vencedor do ranking nacional Caixa/CBAT de corridas de rua.

"O Valdir sentiu uma fisgada na virilha em um treino e o João pegou uma virose de última hora. Mas, mesmo com os desfalques, mantenho a confiança na equipe", diz Alexandre Minardi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.