Técnico de Joanna Maranhão diz que outros casos aparecerão

Outra nadadora também afirma - no Diário de Pernambuco - que antigo técnico de Maranhão a abusou

Angela Lacerda, Especial para O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2008 | 18h39

Há três dias, a nadadora Joanna Maranhão foi procurada por uma moça que disse também ter sido abusada sexualmente quando criança pelo ex-técnico Eugênio Miranda. O novo caso, de acordo com o atual treinador da atleta, João Reynaldo, o Nikita, não deverá ser o último."Acredito que vão aparecer muitos, quem fez uma vez costuma continuar fazendo", afirmou ele nesta sexta-feira, enquanto acompanhava Joanna no seu treino na piscina do Clube Português.Veja também: Ex-técnico de Joanna Maranhão entrará com ação na JustiçaJoanna, 20 anos, que busca alcançar o índice para participar das Olimpíadas de Pequim (4min45s08 nos 400 metros medley) negou-se a identificar a jovem, que concedeu entrevista ao jornal Diário de Pernambuco, publicada ontem (14), sem revelar o nome, afirmando ter vivido situação semelhante quando tinha oito anos e nadava no Sport Clube. Joanna afirma ter sido molestada aos nove, quando treinava no clube Náutico. O técnico era o mesmo. As famílias das pequenas nadadoras confiavam no treinador. Elas foram contemporâneas, de acordo com Nikita, mas nunca se encontraram.Ao Diário de Pernambuco, a jovem disse que passou pelo mesmo processo de Joanna, de apagar da mente os abusos, de ela mesma duvidar que alguém de confiança, amigo da família lhe fizesse mal. Tudo veio à tona, segundo ela, ao tomar conhecimento do abuso sexual sofrido por Joanna. A moça afirmou na entrevista ao jornal pernambucano que os abusos por parte de Miranda costumavam ocorrer na sala reservada ao departamento de natação do clube. Segundo ela, ele acariciava os seus seios e partes íntimas - o que também teria feito na casa do ex-técnico. Segundo ela, uma vez, um colega presenciou uma dessas cenas no clube e lhe perguntou, depois, se "tio" Eugênio era seu namorado.A mãe de Joanna, a médica Teresinha Maranhão, que classifica Miranda de "pedófilo" e "mau caráter" não teme que o ex-treinador a processe criminalmente, como anunciou anteontem o advogado de Miranda, João Olímpio Mendonça. E Joanna já se dispôs a uma acareação com seu ex-treinador. Eugênio Miranda foi afastado da escola onde trabalhava como professor desde que o seu nome foi tornado público por Teresinha Maranhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.