Técnico diz que morte de georgiano salvou outras vidas

O técnico e tio do atleta georgiano morto durante um treinamento do luge para os Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver afirmou nesta quinta-feira que o acidente do competidor salvou a vida de outros participantes.

AE, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 12h15

Felix Kumaritashvili disse que os organizadores da Olimpíada colocaram uma barreira de proteção na pista apenas após a morte do seu sobrinho Nodar. Para ele, as mudanças feitas mostraram que a pista estava "inadequada para a competição".

Durante um treino na sexta, Nodar Kumaritashvili saiu da pista perto da linha de chegada ao terminar a curva 16 e se chocou contra um poste de metal quando estava a, aproximadamente, 145 km/h. Ele morreu em um hospital pouco depois do acidente.

A Federação Internacional de Luge e membros do comitê organizador dos Jogos de Vancouver disseram que investigação mostrou que o acidente foi resultado de um erro humano. O atleta será enterrado no sábado, na cidade de Bakuriani, na Geórgia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.