Felipe Dana/AP
Felipe Dana/AP

Técnico do México exalta Itália e evita falar do Brasil

Jose Manuel de la Torre lamenta resultado negatvo na estreia, mas foca recuperação

LEONARDO MAIA E TIAGO ROGERO, Agência Estado

16 de junho de 2013 | 19h28

RIO - Depois do terceiro jogo sem vitória, a pressão ficou ainda maior sobre o técnico do México, Jose Manuel de la Torre. Dessa vez, a seleção mexicana pelo menos marcou um gol, algo que não havia feito nas duas partidas anteriores. Ao perder para a Itália por 2 a 1, neste domingo, no Maracanã, na estreia na Copa das Confederações, o treinador evitou falar sobre o próximo adversário, o Brasil, na quarta-feira, em Fortaleza, e disse que só vai começar a pensar nos brasileiros a partir de agora.

De la Torre admitiu que montou seu time para jogar "no erro" da seleção italiana. "Não foi retranca. Minha orientação era esperar a Itália se abrir, eles se cansarem, e tentarmos jogar nas costas deles", afirmou o técnico do México. "Enfrentamos uma equipe muito boa, coordenada. Sabíamos que precisávamos tentar conter o jogo deles de alguma forma, recuperar no meio de campo e partir para o ataque. Tivemos algumas oportunidades, mas eles criaram algumas jogadas individuais e foi isso que fez a diferença."

Perguntado sobre o que achou da estreia brasileira (a vitória sobre o Japão por 3 a 0, sábado, em Brasília) e da atuação de Neymar, o técnico mexicano se esquivou. "Geralmente, não procuro pensar no próximo rival. Agora que acabou este jogo, quando voltarmos para o hotel vamos começar a nos concentrar no Brasil", avisou.

Ele também admitiu que a moral do time está abalada depois da sequência de jogos sem vitória. "É claro que ninguém gosta de perder, muito menos assim, no fim do jogo. Estávamos até controlando um pouco melhor o oponente quando eles fizeram o segundo gol", disse o técnico, que já chegou ao Brasil pressionado devido à campanha ruim do México nas Eliminatórias da Concacaf para a Copa de 2014 - vem de empates sem gols com Costa Rica e Panamá, ambos no começo do mês.

"A moral sempre cai um pouco quando perdemos, mas temos de nos refazer, faz parte do jogo. Temos detalhes para corrigir, vamos analisar depois e trabalhar com o grupo para nos concentrar para o próximo jogo", afirmou De la Torre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.