Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Técnico mexicano adota o mistério na véspera da estreia

Seleção faz campanha ruim nas Eliminatórias da América do Norte

TIAGO ROGERO, Agência Estado

15 de junho de 2013 | 16h00

RIO - Como tem sido desde que chegou ao Brasil para a disputa da Copa das Confederações, o técnico do México, Jose Manuel de la Torre, escondeu o jogo neste sábado na entrevista coletiva antes da partida contra a Itália, marcada para este domingo, no Maracanã. Talvez o mais pressionado dos técnicos - a seleção mexicana faz campanha ruim nas Eliminatórias para a Copa de 2014 e não vence nem marca gols há dois jogos -, de la Torre, entretanto, demonstrou a confiança habitual e disse acreditar no título.

A proteção em torno dos jogadores é tanta - o México só teve dois treinos liberados para a imprensa esta semana, ambos por 15 minutos - que a habitual entrevista coletiva pré-jogos Fifa, que costuma ser com o capitão do time e o treinador, teve só de la Torre. "Sei que estamos com dificuldades na classificação para a Copa do Mundo, mas este é outro campeonato e nosso time deixou para trás a pressão. Estamos aqui para fazer o melhor de nós. Sabemos que não será fácil, mas queremos ganhar".

O técnico mexicano não deu qualquer dica sobre a escalação da equipe. Generalizou bastante, como quando perguntado sobre o esquema tático que colocaria em campo: "Vai muito em função do rival, mas o principal é jogar nosso futebol e incomodar nosso oponente, sempre levando em campo as características individuais dos nossos atletas. E tem de ser assim contra a Itália no Maracanã e em qualquer outro estádio", afirmou de la Torre.

O comandante elogiou o meia italiano Andrea Pirlo, que neste domingo completa 100 jogos com a camisa da Azzurra. Para de la Torre, como a maioria das jogadas do time italiano passam pelo experiente jogador, uma boa marcação sobre ele pode ajudar os mexicanos a controlar o jogo. Mas ressalvou: "O Pirlo é uma peça muito importante da Itália da mesma forma que o Balotelli, mas eles também precisam do resto da equipe para funcionar bem".

Na última sexta-feira, alguns jogadores da seleção italiana admitiram que não conheciam os jogadores da seleção rival que atuam em clubes mexicanos. Para de la Torre, o México tem de se aproveitar disso. "Pode ser uma arma e se assim for vamos aproveitá-la ao máximo", afirmou.

O mexicano tentou a todo tempo distanciar a Copa das Confederações das Eliminatórias da Copa. Mas reconheceu: "Será muito bom para que eu possa ver quais jogadores estão plenamente comprometidos com a seleção". O técnico disse estar realizando um sonho ao comandar a seleção do México no Maracanã. "Há estádios emblemáticos no mundo como Wembley, Maracanã e Azteca. É como se um sonho se tornasse realidade, então vamos tentar aproveitar essa oportunidade".

Embora não tenha sido o técnico do México na final dos Jogos Olímpicos, quando a seleção brasileira foi derrotada pelos mexicanos por 2 a 1, de la Torre afirmou que o Brasil de Luiz Felipe Scolari é um adversário mais forte que o de Mano Menezes. "A seleção brasileira agora está mais jovem e dinâmica. Aos poucos, estão melhorando seu futebol. Acho que esta seleção será muito mais competitiva, diferente da seleção que enfrentamos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.