Técnico Zé Roberto ataca agência antidoping

Coube ao técnico da seleção brasileira feminina de vôlei, José Roberto Guimarães, responder em nome das jogadoras da equipe os fortes comentários do presidente da Agência Mundial Antidoping (Wada), Richard Pound, contra o doping da atacante Jaqueline, que foi cortada às vésperas dos Jogos Pan-Americanos."A Wada está muito demais, vamos cuidar de anabolizantes, de drogas que alteram a performance. Tem certas coisas que já estão enchendo um pouco o saco", disse o técnico brasileiro durante entrevista coletiva após a vitória por 3 sets a 0 sobre o Peru, neste sábado.Na saída da sala de entrevistas do Maracanãzinho, Zé Roberto reiterou a mensagem com artilharia verbal ainda mais pesada. "Está demais, daqui a pouco uma atleta antes de almoçar ou jantar na casa de alguém vai ter que ligar antes perguntando o que vai ser servido", acrescentou.Em entrevista no Rio de Janeiro, na sexta-feira, Pound disse que não tinha respeito por atletas de nível internacional que alegam ter sido contaminados sem conhecimento.O treinador, entretanto, não opinou sobre o que deveria ser feito para resolver situações como a de Jaqueline, que teve um exame antidoping positivo após ingerir um chá, de acordo com a jogadora."Proposta eu não tenho nenhuma, eu não sou especialista em doping, só acho que eles deveriam focar mais em drogas que melhoram a performance", afirmou, considerando a questão do doping uma "neurose".Zé Roberto disse ainda que a dosagem da substância proibida encontrada no caso de Jaqueline era tão pequena que a atleta teria recebido uma suspensão de apenas dois meses na Itália, onde foi revelado seu caso."Agora fica essa pressão toda e a atleta acaba marcada por causa de uma besteira", concluiu, reiterando pela terceira vez na noite estar "de saco cheio" com as autoridades internacionais do controle de doping.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.