''Temos de seguir na batalha''

Dentinho marca em seu 100.º jogo pelo Corinthians e pede concentração para duelo de volta

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2009 | 00h00

Na primeira chance, erro na finalização. Na segunda, de frente para o goleiro Fernando Prass, chute forte pelo alto. A terceira não podia resultar em outra coisa que não fosse o gol. Em seu 100º jogo com a camisa corintiana, Dentinho recebeu de Jorge Henrique, dominou e estufou as redes do Vasco. Na fase final o Vasco empataria, mas seu gol foi muito importante na caminhada do time rumo à decisão da Copa do Brasil. Agora, basta um 0 a 0 no Pacaembu."Graças a Deus pude comemorar uma marca importante na minha carreira com gol", festejou. "Temos de seguir nossa batalha rumo ao título, pois a Copa do Brasil é o caminho mais curto para a Libertadores", observou, sobre o maior sonho de todos no clube, para 2010, ano do centenário.Pelo terceiro jogo seguido na competição, Dentinho se destaca. No duelo de ida com o Fluminense, no Pacaembu, 1 a 0, gol do atacante. Na volta, no mesmo palco de ontem, passe preciso para Jorge Henrique, que ontem retribuiu o presente.A comemoração de Dentinho foi homenagem aos pais, Nice e Adonias, com beijos nos antebraços (tem seus nomes tatuados) e para a noiva Daliléia.A noite de Dentinho só não terminou bem porque, logo após o gol do Vasco, deixou o campo sentindo uma lesão no joelho direito. O time já havia perdido Jorge Henrique por lesão no gol de Dentinho. "Abri muito a perna na hora do passe e senti dores na virilha", lamentou Jorge Henrique.A dupla deve ser poupada diante do Santos, no domingo. Mano, contudo, garante ainda não estar pensando nisso. "Vamos curtir um pouco o empate e amanhã (hoje) começamos a pensar no Santos", enfatizou. No entanto, não gostou do alto número de gols perdidos. "Podíamos ter caprichado mais", disse.Um alerta dado pelo capitão William que, na hora do gol de Pimpão, tentou cortar o lance e desviou contra as próprias redes. "Tivemos muita posse de bola e não concluímos, espero que o empate sirva de lição", afirmou. "Quando um adversário dá espaços, temos de matar o jogo, não podemos bobear contra equipes grandes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.