Temporada começa hoje para o São Paulo

Time tenta recuperar eficiência esquecida em 2008

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

16 de maio de 2009 | 00h00

É o primeiro jogo do resto da temporada. O São Paulo ainda não apresentou, em 2009, o futebol eficiente que o levou ao título do Campeonato Brasileiro no ano passado. Prestes a disputar seu primeiro confronto mata-mata na Taça Libertadores, o time de Muricy Ramalho tenta engrenar hoje, às 16 horas, no Morumbi, diante do Atlético-PR. A obrigação é vencer. O dever é tentar convencer, mesmo sem poder contar com muitos jogadores lesionados. Confira ao vivo o jogo do São Paulo e jogue o ?desafio de craques?"É um jogo como qualquer um do Brasileiro", despista um incomodado Muricy, insatisfeito com a fase ruim - quatro derrotas nos últimos cinco jogos, sua pior sequência no São Paulo - e com as críticas ao time. "Todo começo de campeonato tem essas dificuldades de se achar um padrão de jogo. Uma hora o time vai estar pronto."As improvisações tão criticadas da partida contra o Fluminense (derrota por 1 a 0) - até os jogadores já se mostram insatisfeitos -, domingo passado, devem continuar. Muricy simplesmente só tem um zagueiro à disposição - Miranda. E não confia no seu único lateral-direito de ofício, o inconstante Wagner Diniz, contratado junto ao Vasco no final da temporada passada."Improvisação é um pouco mais difícil na defesa. São as posições mais complicadas de se atuar, é preciso correr muito atrás dos atacantes. É sempre duro convencer o jogador a sofrer", explica Muricy. "O problema também é o treinamento, são posições mais difíceis de conseguir entrosamento." Mas não tem jeito. Na zaga, deve atuar Richarlyson, 1,76 m. "Altura não é problema", garante o treinador. "Ele tem boa impulsão." Na lateral, é a vez do já efetivado Zé Luis voltar depois de ficar um mês fora se recuperando de lesão muscular. "Vejo com naturalidade a improvisação, já estou acostumado. O mais importante é que estou voltando."Tudo que o Atlético-PR espera hoje é conseguir a reabilitação da derrota para o Vitória. "A gente tem que buscar pontos fora, ainda mais depois de perder a primeira em casa", ressalta o zagueiro Antônio Carlos. Mas o técnico Geninho pede cautela. "É um adversário que, por ser postulante ao título e vindo de resultado negativo, deve vir com tudo." O técnico não deve alterar a postura tática, mantendo dois volantes e três zagueiros. "Tenho dois laterais que são 80% apoio e 20% marcação, então eu tenho que me proteger."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.