Tênis brasileiro tenta a recuperação na Copa Petrobras

Na Europa, os melhores do mundo jogam esta semana o Masters Series de Madri, com Roger Federer e Rafael Nadal favoritos à disputa de mais uma final importante. Na América do Sul, chega a hora da verdade para o tênis brasileiro. Nesta segunda-feira começa em Bogotá, na Colômbia, a Copa Petrobras - uma série de cinco torneios da categoria challenger, que distribui grana e pontos suficientes para melhorar a vida dos jogadores do Brasil, abrindo as portas para muitos deles terminarem a temporada entre os cem primeiros do ranking mundial. É um bom momento para quem pensa em ganhar pontos. Mas ainda assim, Gustavo Kuerten, apesar da recente renovação da parceria com Larri Passos, não se animou a entrar no circuito e tudo indica que neste final de temporada vai dedicar-se apenas a participar de exibições. Já tem uma marcada para a Bahia, em novembro, e pode participar de outras, no que poderia ser mais um estágio de sua preparação para voltar ao circuito, ou então ser uma nova opção para seu futuro. Em Bogotá cinco brasileiros jogam a primeira etapa da Copa Petrobras. Curiosamente, na disputa não aparece o nome de Flávio Saretta, que teve um grande incentivo de Fernando Meligeni na Copa Davis. O atual número 1 do Brasil, Tiago Alves, não desperdiça a chance e vai estrear contra o mexicano Santiago Gonzalez. Ricardo Mello também pega um mexicano, Bruno Echagarry; Andre Ghem enfrenta o australiano Chris Guccioni; e Júlio Silva e André Sá fazem um duelo brasileiro. Marcos Daniel desistiu do torneio por causa de problemas de saúde. O circuito tem cinco etapas - esta primeira em Bogotá, seguindo depois para Montevidéu, Aracaju, Buenos Aires e Assunção. Em cada uma dará prêmios e pontos de US$ 100 mil, o que somado poderia valer a qualquer brasileiro destes que estão na chave de Bogotá um lugar entre os cem primeiros do ranking. Em Madri, Federer sai como bye e estréia contra o vencedor de Nicolas Massu e Gaston Gaudio, enquanto Nadal joga contra quem passar de Xavier Malisse e um jogador saído do quali. O espanhol desmentiu qualquer crise, depois de sua derrota para o sueco Joachin Johannsson, na semana passada, em Estocolmo. ?Se perder todos os meus jogos até o final do ano, ainda assim estarei em segundo do ranking. Não vejo crise nisso?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.