Attila Kisbenedek/AFP
Attila Kisbenedek/AFP

Terceiro dia da natação no Mundial tem domínio da China e dos EUA

Dois recordes foram quebrados nesta terça-feira, em Budapeste, na Hungria

Estadão Conteúdo

25 de julho de 2017 | 15h14

O terceiro dia de finais da natação no Mundial de Esportes de Aquáticos de Budapeste ficou marcado pelos recordes mundiais e pelo domínio da China e dos Estados Unidos. Em cinco disputas de medalhas, foram registradas duas novas marcas, com norte-americanos e chineses faturando dois ouros cada.

Atual campeã olímpica nos 100 metros peito, a norte-americana Lilly King confirmou o seu favoritismo e faturou a medalha de ouro com o tempo de 1min04s13, novo recorde mundial da prova. No pódio, ela teve a companhia da compatriota Katie Meili, com 1min05s03, e da russa Yuliya Efimova, com 1min05s05.

Outra norte-americana a faturar um ouro nesta terça-feira, Katie Ledecky nem precisou quebrar um recorde para fazer história. Afinal, com um domínio impressionante da sua final, ela venceu a disputa dos 1.500m livre com a marca de 15min31s82 e conquistou o seu terceiro ouro em Budapeste - os outros foram nos 400m livre e no revezamento 4x100m livre. Ledecky foi 19 segundos mais rápida do que a espanhola Mireia Belmonte, a segunda colocada. O pódio foi completado pela italiana Simona Quadarella. Campeã em Budapeste nos 400m livre, o chinês Sun Yang repetiu o feito nos 200m livre ao faturar a medalha de ouro com a marca de 1min44s39. O norte-americano Townley Haas foi o segundo colocado com 1min45s04, enquanto o russo Aleksandr Krasnykh ficou na terceira posição com 1min45s23. O outro ouro da China nesta terça-feira foi assegurado por Xu Jiayu nos 100 metros costas com a marca de 52s44 - Guilherme Guido foi o sétimo colocado nessa prova.

O domínio chinês e norte-americano nas finais só foi interrompido por Kylie Masse. A canadense foi campeã na versão feminina dos 100m costas, prova em que foi medalhista de bronze na Olimpíada do Rio, ao cravar 58s10, novo recorde mundial. Assim, venceu com vantagem considerável para a norte-americana Kathleen Baker, segunda colocada com 58s58, e a australiana Emily Seebohm, a terceira com 58s59.

Outro recorde mundial foi quebrado nesta terça-feira em Budapeste, e duas vezes. O britânico Adam Peaty liderou as eliminatórias e as semifinais dos 50m peito sempre registrando uma nova marca da prova, que agora é de 25s95. Nesta quarta-feira, ele disputará a final, que também contará com as participações dos brasileiros Felipe Lima e João Gomes Júnior, e tentará confirmar o seu favoritismo, além de buscar uma nova marca mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.