Teve de tudo no clássico mineiro

Discussões, expulsões e brigas marcaram o empate por 2 a 2 entre Cruzeiro e Atlético, no Independência

BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2012 | 03h03

Em um clássico dramático e muito disputado, Cruzeiro e Atlético-MG empataram por 2 a 2, ontem à noite no Estádio Independência, em Belo Horizonte. Com o resultado, o Atlético-MG ampliou sua vantagem na liderança do Brasileiro, com 43 pontos. O Cruzeiro tem 28. Wallyson e Mateus fizeram os gol do time azul; Ronaldinho Gaúcho e Leonardo Silva marcaram para o líder.

No primeiro tempo, o clássico mineiro foi marcado por dois gols, muita pancadaria e bate-boca. Nada menos de sete cartões amarelos (cinco para o Cruzeiro) foram mostrados pelo juiz pernambucano Niélson Nogueira, que ouviu muitas reclamações dos jogadores dos dois times e até de integrantes de comissões técnicas que invadiram o gramado no final da etapa.

Uma curiosidade é que quem estava escalado para a partida era o juiz Émerson Ferreira. Mas ele teria sido vetado para o jogo por razões físicas.

O líder começou o jogo a todo vapor. O Cruzeiro também não deixou por menos e as faltas mais duras começaram a acontecer. A primeira baixa da 'guerra' foi o atacante Fabinho, que deixou o campo chorando. Mas, para a sorte do Cruzeiro, o substituto de Fabinho, Wallyson, acabou fazendo o primeiro gol do clássico aos 16 minutos, na primeira vez em que tocou na bola, desviando cruzamento de Everton.

Esse gol deixou o jogo mais acirrado ainda. O juiz passou a distribuir cartões amarelos, para tentar conter os mais nervosos. Aos 42 minutos, Ronaldinho Gaúcho, que estava meio 'sumido', fez um passe preciso para Danilinho, que, livre, cabeceou para fora, Nos acréscimos, Ronaldinho Gaúcho bateu escanteio, Jô desviou e Leonardo Silva acertou um belo voleio no ângulo direito e empatou o jogo. "Agora vamos tentar virar o jogo no segundo tempo", disse o zagueiro . Wallyson, autor do gol do Cruzeiro, estava mais preocupado em ter algum colega expulso.

Aos 7 minutos, o clássico foi paralisado porque torcedores começaram a atirar copos de água no gramado, revoltados com a arbitragem. Depois da paralisação de sete minutos, Bernard e Leandro Guerreiro, que começaram a confusão, foram expulsos. O juiz chegou até a ameaçar a encerrar a partida por falta de condições de segurança. Mas ele decidiu reiniciar o jogo, mostrando cartões amarelos para Bernard e Leandro Guerreiro. Como eles já haviam sido advertidos com cartões, foram expulsos.

O jogo caiu de nível técnico. Mas no final o Cruzeiro ainda teve uma grande chance com Borges: o goleiro Victor salvou.

E após a expulsão de Pierre, aos 43 minutos, jogo parecia favorável ao Cruzeiro. Mas no minuto seguinte, Ronaldinho Gaúcho roubou uma bola no meio de campo, deu uma arrancada sensacional, livrou-se da marcação e tocou para a rede: 2 a 1. O jogo ficou dramático, e aos 56 minutos, Mateus empatou: 2 a 2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.