REUTERS/Kacper Pempel
REUTERS/Kacper Pempel

Thiago Braz falha no salto com vara, mas evita achar desculpas

Atleta era uma das grandes esperanças de medalha do Brasil

NATHALIA GARCIA, enviada especial a Toronto, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2015 | 14h46

O brasileiro Thiago Braz, do salto com vara, decepcionou em sua primeira participação nos Jogos Pan-Americanos. Em Toronto, o atleta errou as suas três primeiras tentativas, com o sarrafo na marca de 5,40 metros, e ficou fora da briga por medalha precocemente nesta terça-feira.

Thiago não procurou desculpas para justificar a eliminação e reconheceu que falhou na parte técnica. "Gostei do aquecimento e estava sentindo que ia bem. Na hora da prova começou a oscilar um monte de coisa. Se eu tivesse acertado a minha corrida, eu teria um salto confiante", explica.

O pupilo de Vitaly Petrov - mentor de Sergey Bubka e Yelena Isinbayeva - deixou a prova bastante frustrado com seu desempenho ruim e espera aprender com o erro. "Nem eu acreditei que zerei uma prova no Pan-Americano. Fiquei super chateado, ainda mais sendo o meu primeiro Pan. Mas é experiência." Dono da segunda melhor marca do ano (5,92m), o brasileiro tinha como meta saltar entre 5,80m e 5,90m.

Ele admite que sentiu um pouco o nervosismo pela pressão na última tentativa, sendo que havia optado por iniciar a prova nos 5,40m justamente para ganhar confiança. A partir de agora, a cabeça ficará voltada para o Mundial em Pequim, em agosto. "A gente vai ter que voltar, analisar o que aconteceu hoje (terça-feira), onde erramos e tentar melhorar nos próximos treinos para se preparar para o Mundial", projeta.

Medalha de ouro no Pan do Rio, em 2007, Fábio Gomes da Silva também não passou dos 5,40m nos três saltos e acabou deixando o País fora do pódio.

OURO CANADENSE

Se os brasileiros falharam, o outro favorito da prova fez bonito. Quarto do ranking mundial, o também garoto Shawnacy Barber, canadense de apenas 21 anos, ganhou o ouro com 5,90m. Ele ainda tentou bater seu recorde pessoal e nacional, mas falhou nas três tentativas de 5,93m.

A prata teve um gostinho brasileiro. Afinal, o argentino Germán Chiaraviglio, junto com sua irmã Valéria, regularmente treinava em São Caetano do Sul (SP) com Thiago e Fábio, comandados por Elson Miranda e Vitaly Petrov.

Em Toronto, Chiaraviglio pela primeira vez confirmou o potencial mostrado há nove anos, quando se tornou campeão mundial juvenil com 5,71m. Depois de quase uma década, ele finalmente conseguiu superar seu recorde pessoal, saltando 5,75m para ganhar a prata.

O restante dos competidores foram muito mal, a ponto de o bronze ficar com o norte-americano Jake Blankenship, com 5,40m. Ele tem 5,80m como melhor salto da temporada e é o 11º do ranking mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.