Thiago Camilo traça o caminho para o ouro olímpico

Judoca conquistou o Pan, o Mundial e agora corre atrás do único título que lhe falta: o ouro olímpico

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

02 de maio de 2008 | 21h07

Tiago Camilo tem a mesma ambição que a seleção brasileira masculina de futebol para a disputa da Olimpíada de Pequim. Ganhar a medalha de ouro, a última conquista que falta na sala de troféus da equipe de Dunga e do judoca. Para isso, o atleta, de 25 anos, diz estar mais preparado do que no ano passado, quando sagrou-se campeão pan-americano e mundial. "É uma motivação a mais para mim. Estou melhor fisicamente, taticamente, psicologicamente. Dormindo e me alimentando melhor para chegar à China no auge", disse o atleta, que também já foi campeão mundial júnior.Tiago está em Belo Horizonte para a Copa do Mundo de Judô, de hoje até segunda-feira, com a participação de 19 países. O paulista de Tupã, porém, não tem presença confirmada, pois se recupera de torção no joelho direito. "Trata-se de um evento que faz parte do nosso planejamento de treinos para a Olimpíada", afirmou Tiago, que recebeu da comissão técnica DVDs do último Campeonato Europeu. "Todos nós da equipe olímpica recebemos as lutas dos adversários que consideramos mais difíceis. Pedi a gravação dos combates de 15 oponentes."Eleito o melhor judoca - entre 776 - do último Mundial, ano passado, no Rio, Tiago considera sua categoria a mais difícil entre as sete do judô. "Os oito que chegaram às quartas-de-final têm chances de ganhar o ouro na China", observou o medalha de prata na Olimpíada de Sydney, em 2000, quando tinha 17 anos. "Sempre procuro entrar nas lutas como quando entrei na Austrália, confiante e me preocupando em fazer o melhor. Bem treinado, sei que tenho condições de vencer qualquer adversário."Segundo Tiago, a definição da equipe olímpica em março foi importante para uma concentração maior em treinos e competições. "Tive disputa forte com o Flávio (Canto) e consegui a vaga após bons resultados na Europa." Em 2004, Tiago perdeu para Canto a eliminatória da categoria em polêmica decisão dos juízes.SEM DINHEIROSempre bem-humorado, Tiago aproveitou para cobrar a ajuda de custo de R$ 3,5 mil que cada judoca olímpico deveria receber da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) por intermédio do patrocínio da Infraero. "Seria bom estar recebendo esse dinheiro desde o início do ano. Mas ainda não recebemos nada e daqui a pouco começa a Olimpíada." Os judocas entram no tatame na China em 9 de agosto. Ney Wilson, diretor técnico da CBJ, disse que "problemas burocráticos" atrasaram o pagamento dessa ajuda de custo. De acordo com o dirigente,o dinheiro será depositado na conta dos atletas na segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.