Divulgação
Divulgação

Thiago Pereira inicia luta para ser o maior medalhista brasileiro

Nadador é detentor de 18 pódios em Pan-Americanos

Nathália Garcia e Paulo Favero, enviados especiais a Toronto, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2015 | 07h00

Uma das mais tradicionais competições dos Jogos Pan-Americanos, a natação começa nesta terça no Centro Aquático com expectativa de muitas medalhas para o Brasil e quebra de recorde de Thiago Pereira, que pode ultrapassar Gustavo Borges e se tornar o maior medalhista brasileiro no torneio. Caso vá muito bem, Thiago pode até mesmo ultrapassar o ex-ginasta cubano Eric López, que conquistou 22 medalhas (18 de ouro, três de prata e uma de bronze).

Thiago tem 18 medalhas nas três edições de que já participou: Santo Domingo-2003, Rio de Janeiro-2007 e Guadalajara-2011, somando 12 medalhas de ouro, três de prata e três de bronze. Borges ganhou 19 medalhas. Nas piscinas de Toronto, se Thiago participar de todos os revezamentos, disputará oito provas em cinco dias: 100 m costas, 100 m borboleta, 200 m e 400 m medley, 200 m peito, 4 x 100 m livre, 4 x 200 m livre e 4 x 100 m medley. Assim, ele sabe que só poderá arrebentar no quadro de medalhas se tiver a ajuda dos companheiros de equipe.

Ele vai disputar o 4 x 100 m livre e iniciar a busca pelos pódios. Outra prova importante é a dos 100 m livre, que terá Matheus Santana, um velocista em ótima fase e que já está sendo apontado como novo César Cielo. O garoto alcançou boas marcas na temporada e tem tudo para brilhar.

“No meu primeiro Pan espero fazer uma boa competição. Treinei bem forte para isso. A preparação, desde o começo do ano, foi voltada para o Pan e para o Mundial, então espero conseguir fazer uma boa prova e nadar para os melhores tempos. Se tudo correr bem, tenho a esperança de conquistar uma medalha para o Brasil na prova dos 100 m livre. De preferência de ouro”, diz, rindo.

A piscina do Centro Aquático conta com um sistema de bordas móveis, que fazem com que seu comprimento mude de tamanho. Ela pode ficar com 50 metros, ou menor, com 30 metros, para receber as provas de nado sincronizado. Esse tipo de tecnologia é muito comum nos EUA e Canadá, porque às vezes as competições são medidas em jardas. “É uma piscina que pode receber o nado sincronizado ou ter raia olímpica. Acredito que do ponto de vista de custo também seja mais adequada, porque não necessita de instalações diferentes. Assim, você pode ter a piscina com o comprimento que quiser e isso é feito em questões de minutos”, explica Lori Eaton, técnica de nado sincronizado da seleção de Aruba e de equipe universitária nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.