Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Thiago Pereira estreia sábado mirando medalha e recorde

Nadador mergulha para a terceira bateria eliminatória dos 400 m medley

AE, Agência Estado

27 de julho de 2012 | 13h04

LONDRES - Thiago Pereira vai ser o primeiro brasileiro a competir na natação dos Jogos Olímpicos. Ele cai na água neste sábado, por volta das 6h15 (de Brasília), na terceira das cinco baterias eliminatórias dos 400 metros medley. O corintiano precisa fazer um dos oito melhores tempos para voltar a nadar às 15h30, na final.

"A prova dos 400m medley abre a Olimpíada. A distância é mais desgastante, já que o atleta precisa percorrer 100 metros para cada estilo. Não é meu foco para Londres, mas, estando nela, tenho condições de lutar pelo pódio. Isso implica em fazer uma boa eliminatória e dar tudo na final. Para isso, espero quebrar a minha marca pessoal", revela Thiago Pereira, que tem como melhor tempo os 4min08s86, obtidos no Mundial de Roma, em 2009, ainda com maiô tecnológico.

O brasileiro vai estrear em Londres nadando na raia 6, classificado apenas com o quarto melhor tempo da bateria, atrás do húngaro Verraszto, do japonês Hagino e do chinês Yang. Os principais favoritos à medalha, porém, estão nas duas baterias seguintes. Numa nadam Michael Phelps e Laszlo Cseh. Na outra, Ryan Locht e Yuya Horihata. No total, 12 atletas se qualificaram com tempos melhores que de Thiago.

Mesmo assim, o técnico Alberto Silva aposta em um bom desempenho de seu atleta: "O Thiago Pereira vai mais tranquilo para a prova dos 400 metros medley e isso pode ser um diferencial. Na parte técnica, ele treinou corretamente, está bem preparado, assim como para os 200 metros medley."

A prova principal de Thiago Pereira, os 200 metros medley, acontece na terça-feira em Londres. "Mesmo apostando todas as fichas nos 200m medley, quero buscar a medalha. Sempre penso no melhor e meu trabalho foi feito para chegar até aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.