Lavandeira jr/EFE
Lavandeira jr/EFE

Thiago Pereira fatura prata nos 400m medley em Londres

Brasileiro deixa Phelps para trás e chega em segundo: só não é mais rápido de Ryan Lochte

AE, Agência Estado

28 de julho de 2012 | 15h56

O nadador Thiago Pereira brilhou no Centro Aquático de Londres, neste sábado, ao conquistar a medalha de prata nos 400 metros medley. O brasileiro só não conseguiu superar o norte-americano Ryan Lochte. A medalha de bronze ficou com japonês Kosuke Hagino, que bateu o também americano Michael Phelps, bicampeão olímpico da prova.

A primeira conquista da natação brasileira nos Jogos de Londres também foi a primeira medalha de Pereira em uma competição olímpica. O brasileiro já havia batido na trave nas duas edições anteriores dos Jogos, em Atenas/2004 e Pequim/2008, onde obtivera seu melhor resultado, com um quarto lugar nos 200 metros medley.

Pereira faturou a prata com o tempo de 4min08s86, atrás apenas dos 4min05s18 de Lochte, considerado a grande esperança dos Estados Unidos na natação em Londres. Hagino marcou 4min08s94, enquanto Phelps não passou dos 4min09s28. O americano segue na busca por se tornar o maior vencedor de medalhas olímpicas da história. Com 16, ele está duas atrás da ginasta russa Larissa Latynina.

Aos 26 anos, Pereira era mais conhecido pelas seis medalhas de ouro conquistadas nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007. Com o bom desempenho na edição de Guadalajara, com oito medalhas, Pereira se tornou o maior campeão brasileiro na história da competição. Agora, o nadador passou a integrar a seleta lista de atletas do Brasil que faturaram medalha em olimpíadas.

Depois de conquistar a prata, neste sábado, Pereira disputará mais duas provas em Londres. Na quarta-feira, ele vai participar das eliminatórias dos 200 metros medley, sua especialidade. Se avançar, fará a final na quinta. No dia seguinte, representará o Brasil no nado de costas nas eliminatórias do revezamento 4x100 metros medley. A decisão da medalha nesta prova acontecerá no sábado.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.