Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Thiago Pereira teve 3 convites dos EUA

Além das quatro medalhas conquistadas no Mundial de Piscina Curta em Indianápolis, Thiago Pereira retornou ao Brasil nesta quarta-feira com propostas de três universidades norte-americanas para morar, treinar e estudar nos Estados Unidos. Apesar de afirmar que ainda não decidiu se irá mesmo deixar o País, o maior nome da nova geração da natação brasileira admitiu que sua vontade é conhecer a estrutura de treinamento nos EUA.Thiago confirmou que recebeu convites das universidades de Michigan, Flórida e Alburn. "É mais uma curiosidade em saber o que eles fazem lá. É uma vontade que eu tenho de passar uma temporada lá", disse nadador do Minas Tênis clube. "Mas ainda não decidi. Vou dar um tempinho, esfriar um pouco a cabeça e pensar melhor."A favor e contra - A saída do nadador, porém, é encarada como algo natural pelo presidente do clube mineiro, Kouros Monadjemi. "Os Estados Unidos são um centro e, possivelmente, o principal celeiro da natação mundial. Não temos como fazer", afirmou o dirigente, lembrando que Thiago também terá a oportunidade de treinar ao lado de vários atletas olímpicos. "É uma questão de motivação, não apenas de caráter técnico."Com a bagagem de quem passou cinco anos estudando e treinando numa universidade da Califórnia, Rodrigo Castro recomenda a experiência internacional. "A oportunidade é única. Você vai estar lá treinando com os melhores nadadores do mundo, os melhores técnicos do mundo... Acho que não pode largar mão disso e ficar limitado no Brasil", revelou o nadador, que fez parte da equipe brasileira que conquistou bronze na prova do 4x200 metro livre no Mundial de Indianápolis.Já o cubano Omar Gonzales, técnico de Thiago, reafirmou que pretende aconselhar o jovem nadador a permanecer no Brasil e no Minas Tênis Clube. Ele, contudo, reconheceu que o nível das competições nos Estado Unidos é um grande diferencial. Para Omar Gonzales, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos deveria atuar para tentar manter Thiago no País. "É o melhor nadador do Brasil na atualidade, então depende também da Confederação. Acredito que tem de haver uma proposta e uma necessidade da natação brasileira participar de mais competições, em especial de alto nível", defendeu o técnico cubano. Ano inesquecível - Ao retornar a Belo Horizonte, Thiago Pereira demonstrou estar bastante satisfeito com o seu desempenho em Indianápolis. A comemoração maior foi pelo ouro conquistado nos 200 metros medley, prova em que ficou em quinto lugar na Olimpíada de Atenas."Consegui uma vitória que foi bem marcante, com um tempo que eu não esperava fazer", contou o nadador, que venceu com a marca de 1m55s78, superando o norte-americano Ryan Lochte. "Acabei conseguindo vencer o Lochte, que foi o vice-campeão olímpico, e na casa dele", comemorou.Em Indianápolis, Thiago conquistou ainda a medalha de bronze nos 100 metros medley, além de ter feito parte das equipes que levaram prata e bronze, respectivamente, nos revezamentos 4x100m livre e 4x200m livre. "Esse ano vai ser inesquecível."Agora, Thiago explicou que pretende tirar férias e descansar. Depois, vai pensar nas competições futuras, principalmente o Mundial de piscina longa, no ano que vem, em Montreal, no Canadá. E mostrou tranqüilidade ao ser apontado como o grande destaque da natação brasileira na atualidade. "Tem um pouco (de peso) sim, mas na hora de nadar eu sou bem tranqüilo, eu sou bem focado na prova. Tento fazer o máximo para que nada de fora me atrapalhe naquele momento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.