Thiago promete baixar o tempo na final

No dia do bicampeonato olímpico do holandês Pieter van den Hoogenband, nos 100 metros - prova que emocionou o público no Parque Aquático de Atenas - o brasileiro Thiago Pereira, um garoto de 18 anos, passou à final dos 200 metros, medley. É o segundo nadador dos quatro estilos, 20 anos depois de Ricardo Prado, que ganhou a medalha de prata nos 400 metros na Olimpíada de Los Angeles, a ir para uma decisão olímpica. Nem sabe dizer como vão estar os nervos para a final de amanhã, às 14h51 (horário de Brasília). Thiago fez hoje o quinto tempo nas eliminatórias (2min01s12), pela manhã, quando nadou ao lado do fenômeno Michael Phelps, e o quarto na semifinal (2min00s07), à tarde. Agora, que já cumpriu o objetivo fixado de estar entre os oito melhores, quer repetir ou até baixar um pouco sua melhor marca na distância, feita no Evento-Teste da piscina de Atenas, que é de 1min59s48. "Quero nadar na casa do 1min59s. A prova foi bem melhor do que de manhã, é mais difícil nadar cedo. O tempo de 2min00s07 foi bom até pelo estado em que sai da piscina, não sai morto, nem passando mal. Espero repetir ou até baixar um pouco minha marca. Acho que vai ser uma boa prova. Não tem mais o que trabalhar. É só mostrar o que treinei", resume Thiago, um garoto de aparelho no dente, dois brincos, um de argola e outro de bolinha, na orelha esquerda, e um pé número 45. Ainda não perdeu o sono nessa Olimpíada, nem após a performance ruim nos 400 metros, medley - vomitou quatro vezes após nadar a distância, em função do esforço e do nervosismo. Hoje, inclusive, se desculpou pelo "sumiço" que tinha dado após a primeira prova, dizendo que passou mal. Também observou que ainda está se habituando a esse ambiente de grande competição, com as arquibancadas lotadas. "Nunca nadei com um público tão grande, a não ser no ano passado, no Mundial de Barcelona.Ainda estou acostumando." Ao lado de Phelps - Pela manhã Thiago nadou na raia 5, exatamente ao lado de Michael Phelps, recordista mundial dos 200 e 400 metros, medley, e considerado um dos maiores fenômenos da atualidade. Thiago disse que nunca tinha nadado ao lado dele. "Foi bom, mas sei que ele não forçou nas eliminatórias. Mas virar o peito na frente dele foi muito legal." O norte-americano Michael Phelps, não só fez o primeiro tempo das semifinais, com a marca de 1min58s52, como estabeleceu o novo recorde olímpico. À frente de Thiago ficaram ainda o norte-americano Ryan Lochete (1min59s58) e o húngaro Laszlo Cseh (1min59s65). A mãe - "Vai Thiago, vai Thiago, vai Thiago" - berra alguém da arquibancada, sem parar. É Rose Vilela, a mãe do garoto de Volta Redonda que está numa final olímpica. "Escuto minha mãe quando eu acabo de nadar, quando ela grita valeu Thiago, ou um pouco antes de eu cair na águia, mas na piscina, enquanto estou nadando, realmente não escuto nada." Não deu - Rogério Romero, disputando sua quinta Olimpíada, aos 34 anos, não foi à final dos 200 metros, costas, como nos Jogos de Sydney, em 2000. "Eu pensei em chegar a uma final novamente, mas não deu, não deu", disse Romero que terminou em 11.º (2mon00s60). Apesar de ser um dos mais velhos da natação, Romero não pensa em parar e faz planos. "Vou nadar o Finkel, seletivo ao Mundial de Piscina Curta." Onde vai buscar motivação? "Quer mais motivação do que isso aqui?", comenta Rogério, uma espécie de modelo-atleta para a nova geração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.