Marcio Rodrigues/MPIX/CPB
Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

Thomas Matera supera americano por um centésimo e leva seu 2º ouro no Mundial

Nadador faturou o ouro na prova dos 100 metros livres na classe S12 ao superar o norte-americano Tucker Dupree por um centésimo de segundo

Rafael Franco, enviado especial à Cidade do México, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2017 | 01h49

Em uma das disputas mais emocionantes da última noite do Mundial Paralímpico de Natação, nesta quinta-feira, 7, na Cidade do México, o brasileiro Thomas Matera faturou o ouro na prova dos 100 metros livres na classe S12 (para deficientes visuais) ao superar o norte-americano Tucker Dupree por apenas um centésimo de segundo. 

++ Brasil pulveriza marca de pódios e bate recorde de ouros no Mundial Paralímpico

Na batida de mão da última braçada, o carioca de 28 anos de idade cravou o tempo de 55s00 para se garantir no topo do pódio, enquanto o nadador dos Estados Unidos amargou a prata com 55s01. O bronze ficou com o neozelandês FRanco Smit, mais de um segundo atrás dos dois primeiros, com a marca de 56s26.

Essa foi a quinta medalha de Matera nesta Paralímpida, na qual ele também já havia conquistado um outro ouro na prova dos 100m borboleta na classe S12 e outros três bronzes, sendo um nos 100m costas e outros os 50m livre da mesma classe, além de um terceiro nos 400m livre da S13.

E essa vitória da noite de quinta-feira teve sabor especial para Matera também pelo fato de que o nadador dos EUA superado nesta final havia o derrotado na decisão dos 50m livre S12, quando Tucker ficou com o ouro.

++ André Brasil vence em 'tira-teima' e Phelipe Rodrigues é o 3º nos 100m borboleta

"Estou muito feliz, como não poderia deixar de ser. O americano me ganhou nos 50m e eu ganhei dele nos 100m. Estava confiante para essa prova. Hoje consegui superar ele por um centésimo, não sei se ele percebeu o meu toque antes, talvez ele só tenha sabido que eu venci depois do anúncio do resultado", destacou Matera, logo após a prova.

Deficiente visual que era praticante da natação convencional, Matera está há apenas dois anos no esporte paralímpico, que ele procurou depois que a sua visão piorou de forma gradativa por causa de uma retinose pigmentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.