Tannen Maury/EFE
Tannen Maury/EFE

Time de beisebol de Cleveland vai aposentar o nome 'Indians', considerado termo racista

Decisão ocorre em meio a ampla campanha que busca acabar com o uso de referências e imagens de indígenas americanos como nomes de equipes e mascotes; novo batismo pode se feito nesta semana

David Waldstein e Michael S. Schmidt, The New York Times

15 de dezembro de 2020 | 09h00

Após anos de protestos de torcedores e grupos de indígenas americanos, o time de beisebol Cleveland Indians decidiu mudar de nome, deixando para trás uma caracterização há muito critica por ser racista, de acordo com informações divulgadas por três pessoas a par da decisão. Não se sabe ao certo quais serão as medidas adotadas pelo Cleveland além de abandonar o nome de Indians (índios). A transição para um novo nome envolve muitas considerações logísticas, entre elas o trabalho com fabricantes de uniformes e outros produtos que trazem logomarcas do time.

A jogada veio na esteira da decisão tomada em julho pela equipe de futebol americano de Washington, que abandonou um nome há muito considerado como termo racista, e faz parte de um debate mais amplo a respeito das questões raciais nos Estados Unidos que ganhou força esse ano em meio aos casos de racismo sistêmico e violência policial.

O time de Cleveland pode anunciar esses planos ainda essa semana, de acordo com as três fontes, que falaram sob condição de anonimato por não estarem autorizadas a comentar o assunto com o público. Uma das fontes disse que o Cleveland planeja manter o nome e os uniformes atuais na temporada de 2021 enquanto prepara a implementação da mudança já em 2022. O Cleveland passou boa parte do ano que antecedeu a temporada de 2019 aposentando gradualmente os logotipos e imagens do mascote Chief Wahoo.

De acordo com duas das fontes, uma das alternativas contempladas pelo time é seguir adiante sem um nome substituto — mais ou menos como fez a equipe de futebol americano de Washington Football Team — e então escolher um novo nome por meio de um processo consultivo envolvendo o púbico.

O time de beisebol de Cleveland é conhecido como Indians desde 1915, mas grupos de indígenas americanos e outros se opõem há anos ao uso de nomes, mascotes e imagens indígenas por parte das equipes esportivas, insistindo que são situações de racismo humilhante. O nome do time de Cleveland e o antigo nome do time de Washington eram considerados entre os exemplos mais notáveis, e foram alvo de amplas campanhas pedindo sua alteração.

O time de Cleveland não respondeu imediatamente aos pedidos de resposta. Outras equipes de esportes profissionais, incluindo Atlanta Braves, Kansas City Chiefs e Chicago Blackhawks, disseram nos meses mais recentes que não planejam alterar seus nomes. Muitas universidades e escolas abandonaram os nomes e mascotes inspirados nos indígenas americanos há tempos, mas os esforços para levar a mudança a todos os níveis do esporte americano se tornaram mais intensos nos meses mais recentes.

Para o Cleveland, o processo teve início quando a equipe anunciou que aposentaria seu tradicional mascote, Chief Wahoo, uma caricatura considerada particularmente ofensiva. Muitos aplaudiram a decisão, mas insistiram que o nome do time também teria que mudar. Então, em julho, horas depois de o Washington anunciar que mudaria de nome (pressionado por importantes patrocinadores como FedEx, Pepsi e Nike), o Cleveland disse que faria uma “rigorosa revisão” do seu nome. A equipe consultou diferentes grupos de indígenas americanos, tanto no estado de Ohio quanto no restante do país.

“Temos o compromisso de nos envolver com a comunidade e as devidas partes interessadas para determinar a melhor solução para o nome do nosso time”, afirmou a equipe em comunicado em julho.

Grupos de indígenas americanos costumam frequentar o primeiro jogo da temporada disputado em Cleveland, às vezes suportando abusos verbais dos torcedores enquanto entram no estádio. Nos anos mais recentes, o time trabalhou com os manifestantes e a polícia para garantir a segurança do protesto e o direito à liberdade de expressão pacífica.

O time disse que o nome foi pensado originalmente como homenagem a um ex-jogador, Louis Sockalexis, que defendeu no século 19 o Cleveland Spiders, equipe que disputava a primeira divisão. Ele era membro da nação Penobscot. Alguns sugeriram ao Cleveland que adote como substituto o nome de Spiders [aranhas].

Durante anos, o nome do Cleveland foi acompanhado pelo logotipo do mascote Chief Wahoo. Para aposentar essa imagem foi necessário remover o logotipo dos uniformes, das paredes e das bandeiras no estádio. Em seu lugar, temos agora uma letra C. “Nossa organização reconhece plenamente que o nome do time é uma das formas mais visíveis de estabelecermos um elo com a comunidade”, dizia o comunicado da equipe divulgado em julho. / Tradução de Augusto Calil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.