Time de Bernardinho encara 'favoritismo' da Polônia

Técnico considera rival de hoje a equipe com melhor desempenho na primeira fase da competição na Itália

, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

ANCONA

O Brasil enfrenta a Polônia hoje, às 16 horas (de Brasília) em Ancona, na Itália em seu primeiro e mais difícil desafio na segunda fase da competição. Para o técnico Bernardinho, seu time terá pela frente a equipe que vem apresentando o melhor desempenho na competição. "Vamos jogar contra um time que, na minha opinião, é o que está em melhor forma neste Mundial."

O técnico trata de minimizar o bom retrospecto brasileiro diante dos poloneses neste ano - quatro vitórias em cinco jogos disputados. "Das cinco partidas que fizemos, quatro foram amistosas. Agora, eles estão prontos", aponta. E Bernardinho também está ciente que, do lado brasileiro, não faltam problemas. O resultado dos exames do levantador Marlon serão conhecidos hoje, mas é certo que o jogador, que está com uma inflamação no intestino, não terá condições de atuar nos dois jogos em Ancona, hoje contra a Polônia e sábado contra a Bulgária. Perdeu cinco quilos e ainda está debilitado.

A ausência do jogador afeta até os treinos, o que resulta em situações, no mínimo, inusitadas. Em Verona, um jogador do time de vôlei local participou dos treinos da seleção. O fato criou polêmica e parte da torcida e da imprensa italiana pediram punição ao "traidor". Ontem, talvez para evitar um episódio semelhante, foi a vez de um jornalista, ex-jogador de vôlei, participar das atividades do time. A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), ao saber do problema de Marlon, tentou uma substituição antes do início do Mundial, mas a Federação Internacional (FIVB) não permitiu e a entidade achou que não seria o caso de trazer um jogador do Brasil apenas para os treinos.

Os atletas brasileiros tentam não se deixar abater pelos problemas e se concentrar apenas em derrotar os poloneses. "O grupo deles é muito forte e conta com várias peças de reposição. O Kurek é um atacante nato como o Dante. O time polonês também tem um central, o Mozdzonek, que saca e bloqueia muito bem, além do Zagmny, que é muito habilidoso", analisou Murilo. "Se conseguirmos segurar o Kurek, que é a peça chave da equipe, vamos conseguir nosso objetivo", prevê o ponta Dante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.