Time diz que derrota não o abala para o clássico

O São Paulo não conseguiu quebrar a série de vitórias do Cruzeiro que, em 2003, acumulou oito vitórias seguidas no Brasileiro. Porém, nos vestiários da Arena após o jogo em que o time foi pela primeira vez derrotado sob o comando do técnico Ricardo Gomes, o resultado parece ter sido rapidamente digerido. Muito em virtude de o time já ter que encarar na sequência o clássico com o líder Palmeiras.O meia Jorge Wagner disse que o fim do longo período de invencibilidade no Brasileiro não pode abalar o time na sequência da competição. "Sabia que ia ser um jogo difícil, sempre quando a gente vem aqui é assim. Criamos algumas situações e a derrota não pode abalar nossa trajetória", disse. "Temos de procurar esquecer, trabalhar e pensar no jogo do Palmeiras que vai ser decisivo", afirmou o jogador.Para o volante Richarlyson, o jogo com o Atlético-PR foi uma prévia do que o São Paulo irá enfrentar na próxima rodada, quando encara o Palmeiras: um jogo com poucos espaços e que pode ser definido em um único lance."Foi um jogo bom, de detalhes. Erramos e tomamos o gol", resumiu o jogador.Assim como Richarlyson, o técnico Ricardo Gomes avaliou que o jogo foi equilibrado, porém, pela produção do time no primeiro tempo, a equipe, segundo o treinador, poderia ter mantido a invencibilidade. "Não é fácil jogar aqui, sempre foi assim. Pelo que fizemos no primeiro tempo merecíamos um ponto. Acho que foi um jogo equilibrado e o Atlético arriscou no segundo tempo e fez o resultado", avaliou o treinador.Gomes apontou a baixa produtividade ofensiva do time como um dos defeitos da equipe em Curitiba. Mas evitou falar sobre o próximo jogo diante do rival Palmeiras em que o São Paulo tentará se reaproximar da liderança. Contudo, elogiou o técnico Muricy Ramalho, que conhece a fundo o time são-paulino. "Ele é um grande treinador, será um outro jogo. Só sabemos isso, temos toda a semana para trabalhar.''A certeza é de que um de seus principais jogadores volta. O volante Hernanes que cumpriu suspensão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.