Rodrigo Coca/Arena
Rodrigo Coca/Arena

Time lamenta a saída de Ronaldo e Tite, o pênalti

Jogadores admitem queda do time após lesão do Fenômeno e técnico lamenta marcação do árbitro: 'Foi pressão'

FÁBIO HECICO - Enviado Especial, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2010 | 00h00

SALVADOR - Tite estava irritado antes mesmo de o primeiro tempo ter terminado. Pulava, gesticulava e reclamava muito com o quarto árbitro pela marcação do pênalti por Carlos Eugênio Simon. Evitou falar antes do fim do jogo. No vestiário, enquanto os jogadores do Corinthians lamentavam mais pela lesão e saída de Ronaldo, ele chiava contra uma possível falha da arbitragem.

Veja também:

linkCorinthians fica no 1 a 1 com Vitória e cai para 2.º no Brasileirão

SÉRIE A - tabelaClassificação | listaCalendário/Resultados

"Uma pena, pois só um time jogou na primeira etapa. Falando como preparador físico: a bola bate na perna, depois na mão, numa velocidade que não dá para ter intenção. Lastimo, pois é um baita árbitro, que eu admiro e que vai para casa e sei o que vai acontecer, pois tem consciência", disse Tite. "Estou chateado, não pela arbitragem, mas por tudo. O que eles sofrem é algo desumano e até o maior do Brasil não fica imune a isso. Infelizmente, porque ecoa muito forte, pipoca muita coisa a semana toda. Não quero privilégio, quero igualdade. Pena o árbitro ficar exposto a tanta pressão, ele não consegue ficar tranquilo bombado por todos os lados."

Após o desabafo, Tite convocou a torcida para lotar o Pacaembu domingo, diante do Vasco, para recolocar o time na briga pelo título. "Peço ao torcedor que nos apoie, pois sei que ele vai nos dar carinho, o corintiano é diferente, apoia muito mais no momento difícil."

O volante Ralf fez coro com o treinador. "Um lance rápido, não tirando a razão do Simon, mas na minha opinião a bola bateu nas costas do William e acabou raspando na minha mão, mas nem mudou de trajetória. Falei pra ele que não havia sido nada", afirmou o autor do pênalti.

Cabisbaixos. Tite terá uma semana inteira para reerguer o moral do elenco. Os jogadores sentiram o baque de ter perdido a ponta ontem à tarde, no Barradão. "Está mais para o Fluminense agora, pega os reservas do Palmeiras e decide em casa com o Guarani. Vamos trabalhar e ainda pensar no título, mas...", lamentou Chicão, assumindo que Ronaldo fez falta. Com lesão muscular, ele deixou o campo aos 27 minutos da primeira etapa. "Mudamos um pouquinho, pois o Ronaldo assusta, a presença dele assusta. Ele em campo nos ajuda bastante."

"Claro que queria contar com o Ronaldo até o fim, um grande pivô, mas temos de fortalecer todo o grupo. Temos o Iarley, o Jorge Henrique, o Souza e já estou pensando no outro jogo", desconversou Tite, evitando falar sobre a queda de rendimento da equipe após a saída do astro.

"Um jogo muito disputado, com igualdade grande, por isso a disputa vai até a última rodada. Porém, lamentamos muito hoje ter de voltar a torcer por tropeços de outras equipes", declarou Alessandro. "Aqui é muito difícil, só três ou quatro conseguiram resultados positivos. Fizemos um primeiro tempo bom, mas houve esse pênalti. Só que não deixamos de vencer por esse lance", disse, absolvendo o juiz.

Após mais uma grande apresentação sua, o goleiro Júlio César parecia ser o mais abatido com o tropeço. "Um pênalti duvidoso. Contudo, com 1 a 0 podíamos ter matado o jogo e não matamos. Após um resultado desse a gente fica bem triste. Será difícil", lamentou. O Fluminense pegará os reservas do Palmeiras, espero que eles possam jogar sério. E tomará que chegue à última rodada com o Guarani ainda tentando sair do rebaixamento. Agora, porém, é tentar fazer nossa parte, de cabeça erguida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.