Tiro com arco autoriza russas, campeãs mundiais, a disputarem Olimpíada

Comitê Executivo da entidade disse concordar com a elegibilidade das três atletas russas

Demétrio Vecchioli, Estadão Conteúdo

25 de julho de 2016 | 10h00

O Comitê Olímpico Internacional (COI) jogou nas costas de cada federação internacional esportiva a decisão pelo aval ou veto à participação de atletas russos nos Jogos Olímpicos do Rio. Nesta segunda-feira, a World Archery, responsável pelo tiro com arco, foi a segunda a se pronunciar a favor dos russos - o tênis havia feito o mesmo no domingo.

Em comunicado, o Comitê Executivo da entidade disse concordar com a elegibilidade das três atletas russas inscritas no Rio-2016 e elogiou o seu equivalente do COI, pela "corajosa decisão" de não punir os atletas russos limpos - os que "não tiveram qualquer relação com as atividades mencionadas no Relatório McLaren".

De acordo com a World Archery, desde o começo das investigações os atletas russos de tiro com arco foram submetidos a testes antidoping extras, tanto dentro quanto fora de competição. Nenhum deles teve resultado analítico adverso.

Tuiana Dashidorzhieva, Ksenia Perova e Inna Stepanova, todas mulheres, foram testadas de forma "extensiva" e nenhuma delas tem histórico positivo de doping. O trio ganhou o Mundial do ano passado na competição por equipes. Todas são medalhistas em Mundiais, sendo que Dashidorzhieva ganhou o bronze no Mundial Sub-21 deste ano.

A entidade que rege o tiro com arco no mundo afirmou ainda que vai se reunir durante os Jogos do Rio para revisar suas regras antidoping para garantir uma forma adequada de lidar com casos similares aos citados no relatório independente divulgado na segunda-feira e que apontou um esquema antidoping financiado pelo governo russo.

Tudo o que sabemos sobre:
Comitê Olímpico InternacionalCOI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.