Tite admite que não conseguiu formação ideal

Técnico afirma que não achou fórmula para suprir ausência de Elias e deixa Roberto Carlos e Dentinho fora do time

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2011 | 00h00

Tite, que teve o vidro de seu carro quebrado por manifestantes anteontem, assumiu sua parte de culpa na derrota para o Tolima (2 a 0), que eliminou o Corinthians da pré-Libertadores. Numa entrevista de poucas palavras, disse que falhou na tarefa de dar equilíbrio ao time após a saída do volante Elias - transferiu-se para o Atlético de Madri após o Campeonato Brasileiro. "Ainda estou procurando a formação tática ideal. Testamos algumas e nada deu certo. Tomara que encontre", explicou.

O técnico teve uma reunião com Andrés Sanchez pela manhã, quando ficou definido que permanece no comando. "O presidente reiterou a confiança no meu trabalho e definimos que precisamos de um "reencaminhamento" no trabalho. O projeto de Libertadores se encerrou, infelizmente", afirmou Tite.

No processo do tal "reencaminhamento", o treinador deixará fora do clássico três dos principais jogadores da equipe. Além de Ronaldo, que tem lesão no músculo adutor da coxa direita, Roberto Carlos e Dentinho também ficam ausentes no confronto com o Palmeiras, amanhã, no Pacaembu. O lateral-esquerdo já não atuou contra o Tolima, enquanto o atacante passará por processo de recondicionamento físico.

"No treinamento, Roberto Carlos mostrou falta de intensidade. No seu relato, falta de confiança", contou Tite, que deixou claro que a polêmica opção de deixar o lateral fora do jogo da Colômbia foi do técnico.

Por outro lado, Roberto Carlos treinou normalmente com os demais jogadores que não iniciaram o jogo contra o Tolima. O que não foi suficiente para convencer Tite de que está preparado para retornar à equipe.

O técnico também deixou no ar a possibilidade de reconduzir Bruno César à equipe que enfrenta o Palmeiras. O meia-atacante foi tirado do time na véspera do confronto da Colômbia e não deu um sorriso sequer durante o trabalho de ontem - mal falou. "Estou pensando ainda na melhor formação", despistou Tite. "Quando um atleta sai do time, falo primeiro com ele e, depois, com o grupo. Todos gostariam de jogar. Mas o que existe é um grupo que se prepara."

Mais pressão. Tite sofreu apenas a primeira derrota no comando do Corinthians, mas nova decepção no clássico de amanhã pode ser decisiva para sua saída. A torcida o coloca como um dos principais culpados pela eliminação por ter tirado Roberto Carlos do time e escalado um meio-campo sem nenhum jogador de armação - Ralf, Jucilei e Paulinho são volantes.

"Respeito o torcedor e a dor que ele sente. Não concordo com estes poucos que querem usar a violência para chamar a atenção", desabafou. "Estamos pressionados e à direção compete perguntar se permaneço."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.