Tite adota prevenção contra o 'salto alto'

Técnico pede que elenco corintiano mantenha os pés no chão nesta reta final e não se iluda com a liderança da competição

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2010 | 00h00

Medir as palavras, pregar respeito aos adversários, não importa em qual situação estiverem, tratar os jogos finais como decisões e manter a concentração e a seriedade. O trabalho psicológico e o discurso de Tite têm como objetivo forçar os corintianos a manter os pés no chão e diminuir os riscos de tropeço nesta reta final. O papo do torcedor de que "basta ganhar as três" para o Corinthians ser campeão não deixa de ser verdadeiro, mas preocupa a comissão técnica. O líder do Brasileiro, afinal, costuma sofrer contra times da parte de baixo da tabela, posição em que se encontram Vitória, Vasco e Goiás, seus três oponentes.

Elenco por elenco, muitos sabem que o Corinthians tem força para ganhar de Vitória, no Barradão, Vasco, no Pacaembu, e Goiás, no Serra Dourada. Mas todo cuidado é pouco, dizem os atletas. E não faltam exemplos que justifiquem a preocupação. O empate entre Goiás e Fluminense por 1 a 1, domingo, no Engenhão, serve para ilustrar o equilíbrio deste Nacional.

E mais do que olhar para os rivais, basta ao Alvinegro analisar seus "desperdícios" de pontos neste Brasileiro. Se ganhou de Fluminense, Cruzeiro, Inter, Grêmio, Santos, São Paulo e Palmeiras, as grandes forças do País, deixou escapar pontos diante de times que figuram na zona de rebaixamento ou lutam para fugir dela. São 25 pontos desperdiçados para os representantes de fundo da tabela, casos dos próximos rivais: Vitória (16.º), Vasco (11.º) e Goiás (19.º). Na lista de tropeços, destaque para duas derrotas para o Atlético-GO, uma para o Avaí e outra diante do Atlético-MG, de virada.

"É preciso a mesma coerência que tivemos nos outros jogos, não dá para dizer que o nível ou o jogo (na reta final) será com facilidade maior. Todos estão brigando por algo, estão decidindo, salvo algumas exceções. Os exemplos são Goiás ( 1 a 1 com Fluminense no Rio) e Prudente ( 3 a 2 no Santos na Vila Belmiro)", alerta Tite, pedindo força de todos na marcação, principalmente na "área de segurança" (perto do seu gol) . "Na reta final, quem está desesperado corre mais. Já perdemos para o Atlético-GO e empatamos com o Ceará, o Goiás tirou pontos do Fluminense. Temos de saber que serão três jogos difíceis", acrescenta o lateral Alessandro. "O título está tão perto e tão distante e o único número que passa na nossa cabeça são os nove pontos, pois acho muito difícil sermos campeões antes da última rodada", avalia o goleiro Julio Cesar.

Alto astral. Bem-humorado e feliz com a volta dos gols, Ronaldo brincou ontem com fotógrafos e repórteres presentes ao treino. Perguntou quanto foi o jogo da seleção e, ao saber da derrota por 1 a 0 para a Argentina, gol de Messi, disparou: "É só me levar que eu resolvo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.