Tite chega e fala em resgatar bom futebol

Bem-humorado e simpático, novo técnico do Corinthians compara atual momento com o vivido por ele em 2004

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

O relógio marcava 17h47 quando Tite, enfim, surgiu no saguão do Aeroporto de Cumbica. Após mais de 15 horas de um cansativo voo, o novo treinador corintiano chegou ao País, elegante, feliz e esbanjando confiança para sua segunda passagem pelo Alvinegro. "Chega uma pessoa com boa intenção, experiente e com um passado que todos já conhecem, para construir um bom trabalho", afirmou, rodeado por dezenas de jornalistas e, mesmo sob enorme empurra-empurra, sem jamais perder a simpatia.

"Estou bastante feliz. O Corinthians é algo especial e está acima de meus objetivos pessoais. Quero ajudá-lo a encontrar seus objetivos", discursou Tite, com contrato até dezembro de 2011. A apresentação oficial será hoje à tarde, no Parque Ecológico. Logo após, comanda seu primeiro treino. Serão oito rodadas para tentar levar o time à conquista do Nacional. Ou, ao menos, a uma vaga na Libertadores do ano que vem.

Logo na chegada, ele mostrou estar preparado para pressões, principalmente da torcida. "Uma das características de um técnico é coragem de enfrentar todos os desafios da bola", enfatizou, lembrando que em 2004 assumiu o time em 22.º e terminou em 5.º. "Quando chegamos o momento era difícil e houve um reconhecimento por todo o trabalho. Ficamos a uma posição da Libertadores."

Naquela competição, também teve de superar jejum de vitórias. Na época, o time não vencia havia cinco rodadas. Agora são sete. Mesmo assim, Tite esbanja confiança. "Quando deixei o País (foi para o Al-Wahda, dos Emirados Árabes, em setembro), o melhor futebol apresentado, o mais consistente, no meu entender, era o do Corinthians. Temos que retomar o bom papel que, em algum momento, se perdeu. E temos condições."

Saudação. O treinador ganhou uma camisa do torcedor Jamanta, reconhecido por suas frases de efeito, com um pequeno tom de cobrança. "Seja bem-vindo Tite, futuro campeão brasileiro de 2010." De outros corintianos, ouviu gritos de confiança já para o clássico com o Palmeiras, adversário da estreia. "Vamos fazer 5 a 0." O jogo será domingo, 16 horas, no Pacaembu, onde se reencontrará com o amigo Scolari. "Será um grande duelo pela grandeza dos times", disse, fazendo questão de elogiar o rival. "Tenho enorme respeito pessoal e familiar por ele." Para o clássico, Tite terá os reforços de Alessandro, Jucilei, Bruno César e Dentinho, recuperados de lesão.

Todo de preto, cor predominante no Corinthians, Tite revelou o sacrifício para voltar ao clube. "Uma da manhã ainda não tinha em mãos a liberação da documentação, sendo que tinha de estar no aeroporto às 3h30 para voar às 6 horas. Mas estou muito feliz." Após atender todos, posar para fotos e distribuir autógrafos, ele pediu licença para ir "abraçar" a mulher e a filha.

Volta adiada

Souza pediu mais dois dias de folga para cuidar do pai doente. Desde sexta-feira, quando a torcida foi ao CT para protestar, o atacante não aparece. Ele não deve mais jogar pelo clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.