Tite ousa na escalação pela primeira vez

Conhecido pela cautela, técnico utilizará dois meias ofensivos e dois atacantes, amanhã, para acabar com tabu contra o Vasco

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2010 | 00h00

Tite sempre foi considerado um treinador cauteloso, precavido. Mas, amanhã, diante do Vasco, no Pacaembu, ele vai mudar um pouco o seu estilo e, pela primeira vez em sete jogos no Corinthians, ousará na escalação. Com a suspensão de Elias, ele mandará a campo um time com dois meias ofensivos, Danilo e Bruno César, recuperado da pancada no joelho esquerdo, com Jorge Henrique e Dentinho no ataque. Ganhar é fundamental para seguir na briga pelo título e a ordem é acabar com o fantasma chamado Vasco.

Os cariocas são uma pedra no sapato do Alvinegro e trazem lembrança nada agradável aos corintianos. Em 2007, num Pacaembu completamente lotado, também na penúltima rodada e com os vascaínos apenas esperando as férias - num ambiente muito parecido com o programado para amanhã -, o atacante Alan Kardec marcou, de cabeça, os cariocas ganharam por 1 a 0 e acabaram com a fuga do rebaixamento. Ganhando naquele dia, o Corinthians garantiria a permanência na Série A, o que não aconteceu após 1 a 1 com o Grêmio.

Desde 2004, quando Gil, Alessandro e Edson marcaram, num triunfo por 3 a 1, o Corinthians não bate o Vasco. Acabar com o tabu é vital. Até mesmo em 2009, quando o Alvinegro eliminou o Vasco e ganhou a Copa do Brasil, o oponente calou o Pacaembu por alguns momentos. Foram vários os lances de perigo até o apito final e um 0 a 0 suficiente para levar o Corinthians à decisão.

"Eu e o Jorge temos um grande entrosamento, começamos o ano juntos, num trio com o Ronaldo e esperamos fazer um belo jogo diante do Vasco", disse Dentinho. "Temos de nos acostumar a jogar sem o Ronaldo, mostrar que não dependemos dele, apesar de sua importância. Já fizemos boa parte da competição com outros jogadores e sabemos que estamos bem servidos", completou Roberto Carlos.

Tite, contudo, garante que sua escalação não será nenhuma surpresa ou peso para a mudança de esquema. "Falar que não está acostumada a jogar assim, eu discordo, pois jogamos com duas formações básicas. Essa forma foi a que perdi título da Copa do Brasil (dirigia o Internacional) com Dentinho e Jorge. Estamos aproveitando o grande momento do Danilo, que jogou muito bem em Salvador", disse. "E essa forma vem desde o Mano."

Tite revelou ter vivido uma semana incômoda com perguntas sobre possíveis entregas de resultados por parte dos rivais. Agora, diretores do Palmeiras chamam a torcida do Fluminense para festa amanhã. "Não sou puritano, mas também sou um ser humano. Socialmente esse assunto é chato, ruim de se responder", falou. "Prefiro, ao olhar o copo com água pela metade, dizer que está meio cheio. Buscar exemplos bons, como o do Inter, que quase colocou o Grêmio na Libertadores, o do Vettel, que vinha em terceiro e foi campeão por méritos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.