Tite reclama da falta de concentração da equipe

Para técnico, fase de acomodação do time teve início a partir da derrota para o Botafogo no 1º turno. O rival de domingo

O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h09

O próximo adversário do Corinthians, o Botafogo, foi o responsável no primeiro turno por ter 'carimbado a faixa' do campeão da Libertadores. A derrota por 3 a 1 no Pacaembu inaugurou uma fase de acomodação do elenco, o que tem sido uma grande preocupação de Tite.

Ontem, o treinador contou que o nível de concentração do elenco diminuiu após a conquista inédita da Libertadores. "No primeiro semestre todo mundo estava mais ligado. Agora tem que ficar chamando a atenção dos jogadores", afirmou. "Antes, eu nem precisava fazer alertas. Agora, é toda hora. Eu tenho que falar que vai perder espaço, que tem outro atleta chegando para disputar vaga", revelou.

Tite disse que notou a mudança de postura no elenco justamente logo depois do jogo com o Botafogo, o primeiro do Corinthians como campeão continental. Segundo o técnico, a partir dali foi necessário começar um trabalho de conscientização do elenco, pois a derrota foi considerada um aviso. "Desde o título estou precisando 'dar pilha' para o jogadores", comentou.

O treinador admite que a equipe carioca foi melhor naquela partida, mereceu a vitória e por isso o jogo no Engenhão não será considerado uma revanche. Mesmo assim o reencontro pode consolidar de vez uma boa campanha do Corinthians no Brasileiro depois da vitória sobre o Palmeiras no clássico.

Para domingo, Tite tem dúvidas para escalar a equipe pelo lado esquerdo. Tanto o lateral Fábio Santos quanto o meia Danilo receberam o cartão amarelo e estão suspensos.

O substituto imediato de Fábio Santos seria Denner, que dificilmente terá condições de atuar. "Ele sentiu ontem (terça-feira) na corrida e vem de um tempo parado, vai ser difícil. As opções que temos são o Guilherme Andrade e o Alessandro, que também já jogou na esquerda", contou o técnico, já ciente de que terá de improvisar um lateral-direito para a posição.

Na meia-esquerda pode vir a mudança mais significativa. Tite cogita até mesmo escalar um atacante de origem para a vaga. "Posso colocar o Jorge Henrique pelo lado e trazer o Emerson do ataque para jogar mais centralizado", explicou. Outro que também tem chance é Edenilson, que atuou como meia contra o Grêmio e foi bem na vitória por 3 a 1 no Pacaembu, ao dar duas assistências para gols da equipe.

Renovação. O meia Danilo, de 33 anos, acertou ontem a renovação contratual com o clube. Agora o vínculo do jogador, que ia até o fim desta temporada, foi estendido até julho de 2014. Os termos da negociação não foram revelados pelo Corinthians, mas ela já vinha sendo discutida há algumas semanas. / C.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.