Titulares jogam para não perder embalo

De olho na Copa do Brasil e para manter o ritmo dos últimos jogos, Kleina escala força máxima diante do Paysandu

CIRO CAMPOS, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2013 | 02h12

A ordem no Palmeiras é não se dar descanso mesmo quando tudo está bem com o líder da Série B. Por isso, hoje, contra o Paysandu, no Pacaembu, o time vai com a força máxima para que às vésperas da estreia na Copa do Brasil não perca o embalo da sequência de dez jogos sem derrota.

A equipe tem uma dúvida na escalação. O atacante Leandro saiu ontem do treino com dores lombares e, caso não tenha condições de atuar, será substituído por Serginho.

"Vamos manter a equipe sem mudanças para entrar forte e com tranquilidade na estreia na Copa do Brasil quarta-feira. Nosso planejamento está dando certo e vamos dar continuidade. Não podemos perder nosso embalo de jeito nenhum", explicou Gilson Kleina. A escalação só foi definida em uma reunião entre ele e o médico Rubens Sampaio para certificar a ausência de atletas com desgaste excessivo e com risco de lesões pelo acúmulo de jogos.

O destaque para hoje é a volta de Alan Kardec. Após cumprir suspensão pelo terceiro amarelo, o artilheiro do Palmeiras na Série B com quatro gols e seis jogos está confirmado. No restante, os titulares são os mesmos que venceram o Joinville por 1 a 0. Assim, Mendieta vai continuar na função de articulador - Valdivia está com um edema na coxa direita.

Após ter vencido as quatro últimas partidas pela diferença de um gol, o jogo de hoje aparenta ser mais fácil. O Paysandu está na zona de rebaixamento para a Série C (18.º), jamais ganhou do Palmeiras em São Paulo e perdeu os sete jogos que fez como visitante nesta Série B. Curiosamente, no último encontro entre os times, o técnico da equipe paraense era Gilson Kleina no jogo disputado em 2005 no Palestra Itália.

Esse aparente favoritismo foi tema de uma conversa reservada do treinador com o elenco ontem. Por cerca de meia hora eles estiveram reunidos antes de ir para o campo e começar o treino. Os jogadores ouviram a cobrança de manter a seriedade e o respeito ao adversário.

"Não podemos avaliar o time pela tabela de classificação, mas sim pelas suas atuações recentes. E o Paysandu tem jogado muito bem", explicou. Kleina destacou o elenco experiente da equipe paraense e disse estar preparado para um jogo parecido com o que foi diante do ABC, quando o adversário atuou na defesa com a proposta de neutralizar a saída de bola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.