TÍTULO DE GABRIEL MEDINA PODE FAZER O SURFE SE GLOBALIZAR

Organizadores do esporte apostam que conquista do brasileiro no Mundial ajudaria a modalidade a ser difundida pelos países da América Latina

Paulo Favero - Enviado Especial a Peniche, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2014 | 17h00

O brasileiro Gabriel Medina pode conquistar o título mundial de surfe nos próximos dias em Portugal e, se fizer isso, terá dado uma grande ajuda para o esporte se globalizar ainda mais. A conquista seria a primeira de um latino-americano na modalidade dominada principalmente por australianos e americanos.

Para Renato Hickel, diretor da Associação dos Surfistas Profissionais (ASP), o melhor seria ele superar Kelly Slater no Moche Rip Curl Pro Portugal, que ontem foi adiado mais uma vez, mas deve voltar a ter baterias a partir de hoje para terminar até quinta-feira. "Eu diria hoje que, para a ASP e para o surfe como um todo, é mais interessante o Gabriel ser campeão do que o Kelly ganhar o 12.º título. Eu acho que vai ter mais repercussão mundialmente, e digo isso sem vestir a camisa", explica. 

A intenção do dirigente é tornar o esporte mais popular em todas as regiões do planeta. "Queremos ter surfistas japoneses, mais europeus, costa-riquenhos, na América do Sul e Ásia, para que um garoto veja que o Gabriel conseguiu e pense que pode conseguir também. O título dele vai ser muito benéfico."


A modalidade já teve altos e baixos, como qualquer outro esporte, mas nas últimas décadas passou a ter premiações maiores para os atletas. "Só para se ter um parâmetro, há 25 anos a premiação total de um evento da elite era de US$ 20 a 30 mil. Hoje é de US$ 500 mil. A gente ainda tem muito que galgar para alcançar o nível do tênis e do golfe, mas nesse período aumentou incrivelmente."

Ele explica que esse aumento é decorrência também da explosão da moda do surfe e da modalidade transbordando as barreiras esportivas e se colocando também como estilo de vida. "Muita gente que não surfa quer copiar. Isso é a força do esporte, que tem apelo e plasticidade únicos."

Um dos exemplos que Hickel comenta é o último lançamento da grife Chanel, que colocou Gisele Bündchen com uma prancha de surfe em sua campanha. "É uma empresa top de moda, que não tem nada a ver com surfe, mas usou a imagem do esporte. Se for na Santa Monica Boulevard, um dos lugares mais chiques da Califórnia e mais caros de se ter um ponto, tem uma loja da Louis Vuitton com três pranchas de surfe na vitrine. A gente pode ser até ingênuo de não conseguir quantificar a potência desse esporte."

APOSTA

Algumas empresas logo perceberam o potencial do surfe. A IMX Talent, por exemplo, viu isso em Gabriel Medina e acertou com o atleta para fazer planejamento de carreira e gestão de imagem. Ele foi o primeiro atleta do grupo, antes mesmo de Neymar, Zico, Thiago Silva e o piloto Felipe Nasr.

Segundo César Villares, vice-presidente de talentos da IMX, ideia é buscar grandes marcas, líderes do segmento e com contratos de longo prazo. Medina já conseguiu patrocínio da Gillette, Mitsubishi, Oakley, Oi e Guaraná Antártica, entre outras. "Procurávamos alguém com perfil de fenômeno global. Acho que no momento ele só está atrás do Neymar em termos de valorização", comenta.

Ao contratar Medina, a intenção foi também mostrar que o surfista é um atleta, que acorda cedo e tem vida regrada para ser um expoente mundial. Claro que com a fama do garoto e a chance de ser campeão do mundo estão atraindo outras empresas, mas a ideia é selecionar bem quem pode colocar sua marca ao lado dele.

A Oi, por exemplo, acabou de fechar contrato com o surfista. "É inegável a performance dele como atleta. Acho que no próximo ano será o grande esportista do Brasil, não só do surfe. Nós estamos lançando um produto que é para o público jovem e ele será o embaixador desse plano", diz Bruno Cremona, gerente de patrocínio e evento da Oi.

DINHEIRO

Os valores no surfe são geralmente mantidos em sigilo, mas estima-se que um surfista de ponta possa ganhar entre US$ 500 mil a US$ 1 milhão de um patrocinador master, aquele que coloca sua marca no bico da prancha. O havaiano John John Florence, por exemplo, recebe US$ 4 milhões por ano da Hurley, mas há quem duvide dessas cifras.

Há nove anos na elite, Adriano de Souza, o Mineirinho, foi pioneiro em buscar uma boa estrutura, nos moldes do que já era feito com surfistas de outros países. "Eu era muito novo e já tinha resultados expressivos. Levei isso para as empresas, fiz muitas reuniões e deu certo", afirma o atleta, que possui nove patrocínios.

De qualquer forma, os valores estão cada vez maiores no surfe, mesmo com a crise que afeta as grandes marcas. Com isso, empresas de outras áreas estão entrando com força nesse segmento. A Samsung, por exemplo, comprou os "naming rights" do Circuito Mundial por valores não revelados. Outras empresas, como Sony e Panasonic, investem em atletas.

"Junto com essa explosão do esporte e atração vem as empresas que não são do meio do surfe, como agora no caso a Samsung, que é uma empresa que se identifica com o meio jovem e vê no surfe como alavanca ideal para vender seus produtos. Obviamente que os governos veem um apelo incrível no meio jovem, pois o esporte atrai a massa, o turismo, e com isso gera empregos", lembra Hickel.

Cada etapa, como a de Peniche, custa em média US$ 2 milhões e esse custo é bancado pela ASP, prefeitura e governo locais, além de patrocinadores. Isso inclui a estrutura para realização do evento e transmissão ao vivo, que é feita também em português e tem grande audiência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Jovens brasileiros podem fazer invasão na elite mundial do surfe

Miguel Pupo, Filipe Toledo, Alejo Muniz e Adriano de Souza surgem como revelações de uma talentosa e promissora geração do esporte

Paulo Favero - Enviado Especial a Peniche, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2014 | 17h00

Uma geração de bons brasileiros torce pelo surfista Gabriel Medina, mas também se mostra pronta para buscar seu lugar ao mar. Nomes como Miguel Pupo, Filipe Toledo, Alejo Muniz e o experiente Adriano de Souza têm conquistado espaço na elite do surfe e outros talentos estão surgindo, na geração que é apelidada de "Brazilian Storm".

Para se ter uma ideia, cinco brasileiros estão entre os 22 melhores do mundo, o que garantiria vaga direta para a elite em 2015. Na divisão de acesso, outros cinco estariam classificados se a competição terminasse neste domingo, mas provas no Brasil e Havaí poderão mudar um pouco o panorama.

Isso tudo, vindo o título de Gabriel Medina, colocaria o Brasil como um dos grandes centros do surfe no mundo. "Esse é um momento que o brasileiro que vive da cultura do surfe sempre esperou", diz Adriano de Souza, que vai completar na próxima temporada dez anos de Circuito Mundial.

Ele festeja poder ter a companhia de tantos outros surfistas que nasceram em seu País. "Na minha época, nove garotos arrebentavam nos campeonatos, mas apenas eu cheguei na elite. Já a geração do Gabriel, dos nove quase todos vieram. Assim, um dá suporte ao outro. Eu tive de ir desbravando sozinho, não tinha em quem me espelhar."

Antes de Adriano, o Brasil já havia contado com surfistas famosos como Fabinho Gouveia, Teco Padaratz, Victor Ribas, entre outros. Mas a atual geração parece ser a mais promissora de todos os tempos e outros nomes estão vindo por aí, como Samuel Pupo, irmão de Miguel e apontado por especialistas como nome certo do Brasil no esporte nos próximos anos.

Um surfista que vem se destacando, mesmo com a pouca idade, é Filipe Toledo, filho de Ricardinho Toledo, de Ubatuba. Famoso por seus aéreos, o garoto de 19 anos chama a atenção por manobras ousadas.

"Estou apenas em meu segundo ano no Circuito Mundial e preciso pegar experiência em ondas que não estou acostumado. Tenho de manter o mesmo nível em ondas maiores", diz Filipinho, que tomou gosto pelos aéreos ao observar o irmão Matheus. "Ele é quatro anos mais velho e sempre foi muito inovador. É minha inspiração."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.