Título humanizou o frio campeão

Piloto sorriu, fez graça e disse que pode até sambar

O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2007 | 00h00

O título mundial de pilotos humanizou, pelo menos um pouco, o ''''Iceman'''' (Homem de Gelo) Kimi Raikkonen. Na entrevista logo após o GP, o sorriso não saía do rosto do piloto, que esqueceu o tradicional jeito sisudo e monossilábico para levar os jornalistas aos risos. Como se não fosse pouco, o finlandês fez declaração de amor aos companheiros da equipe Ferrari e não descartou a possibilidade de comemorar a principal conquista da carreira aprendendo a sambar.O novo campeão disse que tinha apenas uma certeza a respeito da corrida. ''''Sabia que poderia ultrapassar Lewis Hamilton na largada'''', admitiu. Só não confiava com a conquista do título antes de ultrapassar a linha de chegada. ''''Não tinha 100% de garantia, porque se alguém na frente de Lewis saísse da corrida, poderia acontecer de eu não ser campeão. Precisava que todos terminassem a prova. E o tempo não passava.''''Raikkonen atribuiu o título ao trabalho da Ferrari. ''''Tivemos momentos ruins, mas sempre acreditamos na superação. Ficamos juntos e não desistimos.'''' Foi além: ''''Agradeço ao time todo. Eu amo vocês.''''PÉ-FRIORaikkonen também falou sobre a sua fama de pé-frio. ''''Eu não acredito muito em sorte, mas mais em trabalho duro'''', ressaltou. ''''Porém, com certeza, algumas coisas me ajudaram a ir bem e o carro estava perfeito'''', reconheceu. ''''Não sei se é sorte ou não, mas peguei para mim e foi bom para todos nós.''''Raikkonen, no entanto, revelou parte do sofrimento que viveu até ser campeão. ''''É um sentimento ótimo vencer depois de todos esses anos. Cheguei perto (de ser campeão) várias vezes, mas não aconteceu (foi vice duas vezes) e eu já estava pensando que este ano seria a mesma coisa'''', admitiu. ''''É difícil acreditar que finalmente chegou a minha vez'''', desabafou. ''''Foi meu primeiro ano na Ferrari e em certo ponto do campeonato o título parecia muito distante. Mas consegui voltar à briga.''''SAMBAUm jornalista italiano perguntou a Raikkonen se ele não comemoraria o título sambando. ''''É possível. Provavelmente eu vou dançar'''', prometeu o piloto, que torce para que o título não altere demais a sua rotina. ''''Mas, provavelmente, vou ver por aí mais histórias sobre a minha vida'''', emendou o campeão, o que provocou risos gerais, já que andou às turras com a imprensa no passado pela divulgação de seus excessos em noitadas regadas a muita bebida.Mas não poderia fugir à suas características. Por isso, no fim retomou a tradicional rabugice ao mandar recado aos paparazzi (fotógrafos que buscam imagens insólitas de personalidades) de que não vai se deixar intimidar pelo assédio à sua privacidade. ''''Eu vivo a vida como eu quero e é isso aí.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.