Tocha olímpica começa viagem pela Ásia, preocupação aumenta

Forças de segurança foram destacadasna capital paquistanesa Islamabad, nesta quarta-feira, para avisita da tocha olímpica, em meio a preocupações de conflitosentre manifestantes pró-Tibet e estudantes chineses naAustrália na próxima semana. No início da primeira parada de seu revezamento na Ásiaapós os problemas que aconteceram na Europa e nos EstadosUnidos, a tocha chegou a Islamabad nesta quarta-feira sob forteesquema de segurança, apesar de as autoridades afirmarem quenão há uma ameaça específica. O Paquistão sofreu uma série de ataques a bomba demilitantes recentemente, e autoridades do país decidiram que orevezamento será realizado apenas em um estádio de Islamabad, enão mais pelas principais ruas da cidade. Forças paramilitares e a polícia foram posicionadas aoredor do estádio e por todo o trajeto da tocha. O presidente da Associação Olímpica do Paquistão, ArifHassan, disse que o país, forte aliado da China, estavaorgulhoso de receber a tocha que ajudará a melhorar a imagem dopaís. "Uma vez que tudo ocorra bem, acho que vamos enviar umamensagem clara para o mundo todo que eles estarão vendo averdadeira cara do Paquistão", disse Hassan. O revezamento internacional da chama provocou enormesdistúrbios em San Francisco, Londres e Paris, ondemanifestantes anti-China tentaram impedir a passagem da chamaem protestos contra a repressão chinesa a manifestação demonges no Tibet recentemente. As políticas chinesas no Sudão também foram alvo decríticas. Em alguns locais, manifestantes tentaram apagar a chama eos organizadores apagaram a tocha ou a esconderam para mantê-laa salvo. O presidente Pervez Musharraf e o primeiro-ministro YousafRaza Gilani participaram da cerimônia no estádio de Islamabad.Ainda nesta quarta-feira, a chama olímpica segue para Mumbai,na Índia. Centenas de alunos escolares acenando bandeiras doPaquistão e da China foram levados de ônibus para a cerimônia,que inclui danças folclóricas e fogos de artifício. Na Austrália, onde a chama chega na semana que vem, apolícia recebeu poder para conter manifestantes que poderiamprotestar na passagem da tocha, numa resposta ao pedido dedefensores da China por uma segurança reforçada contra ostibetanos durante a parada da chama em Canberra. Zhang Rongan, da Associação dos Estudantes Chineses naAustrália, disse que 10.000 estudantes e chino-australianosviajarão a Canberra para o revezamento da tocha em 24 de abrilpara proteger a chama dos manifestantes. O site na Internet de Zhang pediu por 150 "corredoresfortes e enérgicos" para ajudar a proteger a tocha na Austráliacontra manifestantes tibetanos. (Reportagem adicional de Rob Taylor em Canberra)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.