Tocha olímpica gera nova controvérsia entre China e Taiwan

A passagem por Taiwan da tocha olímpica dos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, se transformou em um novo tema de controvérsia política na ilha. Dois aspirantes à candidatura presidencial pelo governante Partido Democrata Progressista (PDP), Frank Hsieh e Yu Hsyi-kun, exigiram nesta sexta-feira que a tocha olímpica não passe por Taiwan, a menos que se "respeite a dignidade nacional" e a soberania da ilha. Os dois políticos do PDP afirmaram não se opor à passagem da tocha, mas não como parte do trajeto nacional dentro da China, o que comprometeria a independência e a soberania de Taiwan. "A tocha olímpica costuma passar por vários países antes de chegar ao país anfitrião, e por isso não há problema de que passe por Taiwan", disse Yu, atual presidente do PDP. "Não me oponho à chegada da tocha, desde que se mantenham intactas a dignidade nacional e o status soberano", disse o ex-primeiro-ministro Frank Hsieh. O representante taiwanês no Comitê Olímpico Internacional, Wu Ching-kuo, expressou sua convicção de que Pequim e Taipé encontrarão um jeito de fazer com que a tocha olímpica passe por Taiwan, que se separou unilateralmente da China em 1949, embora nunca tenha proclamado formalmente sua independência. Enquanto a China considera Taiwan parte de seu território, a ilha se considera um país soberano e independente, embora o povo taiwanês esteja dividido entre os que aceitam uma futura união com os chineses e os que buscam a separação definitiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.