Todos de olho na leveza de Stürmer

Brasileiro da patinação artística é destaque até entre os adversários

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

Dura apenas uma fração de segundo, mas o salto triplo do gaúcho Marcel Stürmer deixa suspensa a respiração do público que acompanha suas apresentações de patinação artística. Perfeito no gesto, no giro do corpo, no pouso no solo, ele é favorito ao ouro na competição, que começa hoje à noite, no complexo Miécimo da Silva, em Campo Grande.Situação diferente da vivida nos Jogos anteriores, em Santo Domingo, em 2003, quando chegou apenas para conseguir mais experiência e voltou com a medalha de ouro no peito.De mero patinador júnior, Stürmer tornou-se objeto de estudo e observação de seus principais concorrentes. Afinal, a facilidade com que executa os movimentos é tamanha que o brasileiro chegou a pensar em surpreender os jurados hoje com um inédito salto quádruplo. "Desisti porque seria apenas um detalhe a mais, enquanto o que garante o primeiro lugar é o conjunto", explica.A paixão pelo esporte começou quando assistiu à uma apresentação, levado pelos pais, quando tinha apenas 6 anos. Então praticante de futebol e natação, tomou ali a decisão de se tornar patinador.Desconfiados, os pais não lhe compraram logo um par de patins, preferindo emprestar um. Mas o garoto não estava para brincadeira - com 9 anos, disputou e venceu seu primeiro Campeonato Brasileiro. "Sempre tive muita facilidade para executar todos os movimentos, principalmente os mais difíceis", comenta.Aos 21 anos, Stürmer é, de fato, um caso raro no esporte - enquanto a maioria das crianças começava cuidadosamente nos patins, aprendendo com os tradicionais tombos, ele já fazia aviõezinhos, para espanto da técnica Jacqueline Nonnenmacher, que lhe deu as primeiras aulas, na cidade gaúcha de Lajeados, além de lhe emprestar o primeiro par de patins. "Foi ela quem calçou e amarrou os patins no primeiro dia, pois eu não sabia como fazer isso", diverte-se o brasileiro.Hoje, a treinadora não esconde sua satisfação a cada apresentação de Marcel Stürmer. O mesmo se pode dizer dos adversários. No treino acompanhado ontem pela reportagem do Estado, por exemplo, a cada pirueta do brasileiro era possível observar os olhos atentos dos rivais, medindo milimetricamente seus patins.Sua preparação é meticulosa. A cada dia, são duas horas de treino técnico, outra hora e meia para treinamento físico e, finalmente, mais uma hora para exercícios psicológicos, período em que, além de se consultar com uma profissional, Stürmer mentaliza toda sua prova, passo a passo. "Como não gosto de assistir aos vídeos com os treinos gravados, esse exercício me ajuda a corrigir erros", garante.Stürmer, no entanto, ainda reserva surpresas. Na apresentação de hoje, que é a mais curta (dura dois minutos e 15 segundos), ele vai patinar ao som do hip-hop. "Uma influência do Justin Timberlake, que conheci durante os três anos em que treinei nos Estados Unidos."Já a de amanhã, que é mais longa (4 minutos) e que garante 75% da nota, Stürmer vai chegar com um samba. "Sei que é mais difícil, pois é um ritmo que exige mais do atleta", reconhece. "Mas quero fazer uma apresentação totalmente nacional e conquistar mais torcedores para esse esporte, que ainda precisa crescer muito e deixar de se parecer apenas como brincadeira."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.