Todos de olho no ''agressivo'' Hamilton

Estilo arrojado do inglês deixa todos em alerta para o GP da Itália; na pista de Monza, o piloto da McLaren é favorito

Livio Oricchio / MONZA, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2011 | 00h00

Se existe um piloto que os próprios colegas e os comissários vão estar atentos em Monza, já a partir dos primeiros treinos livres do GP da Itália, hoje, é Lewis Hamilton, da McLaren. Curiosamente, diante das características do traçado, o mais veloz do calendário, e do seu carro, é um dos favoritos para vencer, domingo, a 13.ª etapa do Mundial.

Hamilton ratifica a cada incidente, como há duas semanas, na Bélgica, a fama de "excessivamente agressivo". A diferença, em Monza, é que as velocidades passam regularmente dos 300 km/h e acidentes podem trazer consequências sérias.

Calor, 29 graus, às 17h30, e cerca de 20 mil pessoas, ontem, no autódromo próximo a Milão, a maior parte atrás de um autógrafo dos ídolos. Os pilotos corresponderam, em especial Michael Schumacher, "Schumi", como ainda o chamam na Itália, por conta dos cinco títulos seguidos com a Ferrari, de 2000 a 2004.

Se Fernando Alonso e Felipe Massa, a dupla da Ferrari, sonham em repetir o ótimo resultado do ano passado, com vitória do espanhol e a terceira colocação de Massa, tudo o que Hamilton deseja é terminar bem a corrida, aproveitando-se da elevada velocidade da McLaren nos longos trechos de reta da pista, e não se envolver em novos acidentes. Só este ano comprometeu as provas de Massa e Pastor Maldonado, Williams, em Mônaco, a sua própria e quase a do companheiro de equipe, Jenson Button, no Canadá, e em Spa-Francorchamps, dia 28, a sua e do japonês Kamui Kobayashi, Sauber.

"Espero realizar as coisas da maneira correta, depois de experiências não muito boas", disse o inglês, campeão do mundo de 2008. O que mais chama a atenção no seu caso é que na estreia na F-1, em 2007, sempre na McLaren, quase foi campeão e demonstrou maior regularidade que agora. Conter a agressividade tem sido o seu desafio. "Meu time tem me apoiado bastante. A mídia nem tanto, mas assim é a vida." Falou mais: "Não me considero excessivamente agressivo e não vou mudar meu estilo. Aqui, vou, sim, tentar ao máximo não me envolver com nada".

Em 2010 abandonou, em Monza, após um toque em Massa. Em 2009, na última volta, errou na curva Lesmo, bateu e perdeu o 3.º lugar. Em 2007 acabou em segundo, atrás do companheiro de McLaren, Alonso, vencedor. Seu único pódio em Monza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.