Todos querem Cielo

Natação - Três países europeus e a Austrália já teriam feito propostas ao nadador

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

20 de agosto de 2008 | 00h00

Não são apenas os brasileiros que se impressionam com os resultados trazidos por César Cielo de Pequim - a vitória nos 50 m livre, com o recorde olímpico (21s30), e o terceiro lugar nos 100 m livre. Outros atentos espectadores também se interessam pelos feitos do nadador, que ontem encerrou a viagem de 28 horas para retornar ao Brasil. Espanhóis, italianos, franceses e australianos disputam com a Universidade de Auburn, no Alabama (EUA), o passe do medalhista."Ele recebeu propostas de muitos lugares, mas ainda não sabe o que vai fazer da vida", revelou ao Estado o pai do nadador, César. "São convites que vêm de três países da Europa. Também há uma proposta da Austrália, para que ele treine com o Eamon Sullivan (recordista mundial dos 50 m livre, 6º colocado em Pequim). Outras cidades americanas também estão interessadas, como Miami."O destino de César começa a ser traçado na próxima semana, com a família, o empresário - o ex-nadador Fernando Scherer - e o técnico australiano Brett Hawke. O retorno ao Brasil (onde defende o Pinheiros) não é descartado, mas a hipótese aparece como a mais remota."Não é que eu não queira voltar ao Brasil. O que pesou para minha mudança foi a possibilidade de estudar e competir com grandes nadadores", afirmou Cielo na primeira entrevista no retorno ao País. Para o medalhista, faltam boas competições no Brasil. "Nadamos em Santos, em Belo Horizonte. O nível não é o mesmo. Nos EUA, tenho a oportunidade de nadar com o Phelps, por exemplo."Claro que a medalha olímpica de ouro é o resultado mais expressivo na carreira de Cielo. Mas não é apenas por esse resultado que o nadador tem o talento reconhecido. Em abril, venceu Phelps no Grand Prix de Ohio, quando ficou com o primeiro lugar nos 100m livre - nadou 48s34, sete centésimos menos que o norte-americano. No fim de março, entrou para a história do NCAA, o Campeonato Americano Universitário. Eleito pela segunda vez o melhor nadador do torneio, foi o primeiro a completar as 100 jardas (medida utilizada nos EUA) em menos de 41 segundos - fez 40s92.O futuro é promissor, mas Cielo quer, primeiro, descansar. Ontem, desembarcou no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, escondeu-se na cozinha de um restaurante para almoçar e enfrentou quase uma hora de passeio no carro do Corpo de Bombeiros pelas ruas de São Paulo. Viajou para a cidade natal, Santa Bárbara d?Oeste, a 130 km da capital, no fim da tarde. É lá que o garoto dourado vai decidir quais piscinas irá conquistar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.