Charly Triballeau/AFP
Charly Triballeau/AFP

Tóquio 2020 confirma primeiro caso de covid-19 na Vila Olímpica

Paciente é um visitante estrangeiro envolvido na organização do evento e não teve sua nacionalidade divulgada

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2021 | 01h32

TÓQUIO — Organizadores dos Jogos de Tóquio confirmaram que uma pessoa testou positivo para covid-19 na Vila Olímpica. Este é o primeiro caso de infecção nas instalações, que começaram a receber os atletas na quinta-feira, 15, e acende um alerta sobre o risco de transmissão do vírus durante o evento esportivo.

O CEO de Tóquio 2020, Toshiro Muto, afirmou que o paciente é um visitante estrangeiro que está envolvido na organização dos Jogos. Ele não revelou a nacionalidade da pessoa, citando questões de privacidade.

As Olimpíadas de Tóquio 2020, adiadas por um ano devido à pandemia, serão realizadas em sua maioria sem espectadores e sob rígidas regras de quarentena. Os atletas estão apenas começando a desembarcar na Vila Olímpica para os Jogos, que acontecem de 23 de julho a 8 de agosto.

O público japonês tem se mostrado morno sobre a realização do evento em meio a um ressurgimento de novas infecções por coronavírus e temores de que um influxo de visitantes estrangeiros possa aumentar a transmissão, o que, por sua vez, poderia colocar ainda mais pressão sobre o já sobrecarregado sistema de saúde do Japão.

Nesta sexta-feira, o presidente do Comitê Olímpico Internacional, o alemão Thomas Bach, mostrou, mais uma vez, sua confiança em realizar a Olimpíada com total segurança em relação às questões de saúde por causa da pandemia. Em um evento em Hiroshima, ele reforçou a "missão de paz do Movimento Olímpico" e pediu solidariedade em um momento em que a humanidade ainda luta para controlar a covid-19.

"Sem solidariedade, não há paz. Os Jogos Olímpicos serão uma luz de esperança para um futuro melhor e mais pacífico", afirmou./Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.